Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/saude/album/2012/05/21/conheca-os-ultimos-estudos-sobre-alimentacao-saudavel.htm
  • totalImagens: 17
  • fotoInicial: 17
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20120521182600
Fotos

As latas ainda são a melhor opção de embalagem para o azeite de oliva extravirgem. A conclusão é de uma pesquisa feita na Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas, que comparou a ação da luz em cinco tipos de embalagem: de lata, de vidro nas cores clara e escura e PET incolor e na cor âmbar. De acordo com o estudo, as latas preservam melhor os compostos nutricionais do azeite benéficos à saúde Thinkstock Mais

Alguns suplementos alimentares com doses muito elevadas de compostos que ajudam a prevenir o câncer e estão presentes na dieta mediterrânea podem ter o efeito contrário e causar a doença, segundo estudo da Universidade de Coimbra. Antioxidantes e fitoquímicos se revelaram úteis para prevenir o câncer de pele e de mama, mas a novidade é que o efeito positivo depende de que esses alimentos sejam consumidos nas doses adequadas, já que a partir de certo ponto podem ser nocivos e provocar o surgimento da doença Thinsktock Mais

A soja é rica em isoflavonas e a ação desse componente na prevenção da hipertensão foi analisada em um estudo apresentado na 61ª conferência anual da American College of Cardiology. A pesquisa foi realizada com mais de 5 mil homens e mostrou que consumir pelo menos 2,5 miligramas de soja por dia diminuia os riscos de doenças coronarianas. Segundo a pesquisadora do estudo, basta tomar um copo de leite de soja, que contém 22 mg de isoflavonas, todos os dias Thinkstock Mais

Baixos níveis de ômega 3 no sangue foram associados a um menor volume cerebral e a pior performance em testes de acuidade mental, inclusive em pessoas com demência. A conclusão é de um estudo publicado na revista 'Neurology'. A principal autora do estudo suspeita que o ômega 3 reduz as doenças vasculares e também desacelera o envelhecimento do cérebro Divulgação/Gastronomia & Negócios Mais

As uvas, ricas em potássio e antioxidantes, podem ser armas eficazes para prevenir a hipertensão, importante fator de risco cardiovascular, segundo dois estudos apresentados na 61ª conferência anual da American College of Cardiology, realizada em Chicago. O estudo levou 46 homens e mulheres a medir o consumo de uvas três vezes ao dia, comparando-o com o consumo de biscoitos e outros alimentos que não fossem frutas ou legumes. Este é o primeiro estudo controlado cientificamente a confirmar o efeito do consumo cotidiano desta fruta em baixar a pressão arterial de pessoas pré-hipertensivas Divulgação/Revista Adega Mais

Comer uma porção diária de carne vermelha processada pode aumentar o risco de morte prematura em até 20%, segundo estudo feito por especialistas da Universidade de Harvard. Aqueles que comiam uma porção diária, da espessura de um baralho de cartas, de carne vermelha sem processar, demonstraram um risco 13% maior de morrer do que aqueles que não comiam carne vermelha com tanta frequência Thinkstock Mais

Mulheres que consomem grande quantidade de blueberries (mirtilo) e morangos sofrem um declínio mental causado pela idade mais lento em comparação com mulheres que consomem poucas frutas ricas em flavonoides, afirma um estudo americano publicado na revista Anais de Neurologia. Baseados em uma pesquisa com mais de 16 mil mulheres que responderam a questionários regulares sobre seus hábitos de saúde de 1976 a 2001, os resultados mostram que as que comiam mais destas frutas atrasaram o declínio cognitivo em até 2,5 anos Thinkstock Mais

Um novo estudo descobriu que o consumo de ácidos graxos ômega 3, abundantes em peixes e nozes, está associado a níveis baixos de proteína beta-amiloide no sangue, um possível indício de aumento do risco de mal de Alzheimer. As placas e emaranhados amiloides presentes no cérebro são conhecidos por aumentar o risco de deterioração mental, e os níveis da proteína no sangue podem refletir os níveis desses depósitos no cérebro Thinkstock Mais

Adultos de 50 a 71 anos que bebem pelo menos três xícaras de café por dia podem reduzir o risco de morrer em 10% com relação àqueles que não consomem a bebida, revelou um estudo publicado na revista médica New England Journal of Medicine (NEJM). Os resultados demonstraram que as pessoas que consumiram, em média, três xícaras de café por dia, normal ou descafeinado, tiveram menos risco de morrer de doenças cardiovasculares e respiratórias, AVC, ferimentos, acidentes, diabetes e infecção do que as pessoas que não ingeriram a bebida Thinkstock Mais

Um estudo feito na Austrália confirmou que comer 100 gramas diárias de chocolate amargo ajuda a prevenir infartos. Realizado pela Universidade Monash, de Melbourne, e publicado esta semana no British Medical Journal, este estudo mostra que um consumo diário de 100 gramas de chocolate com 70% de cacau poderia evitar 70 ataques cardíacos mortais e 15 de menor intensidade em cada 10 mil pessoas com risco de sofrê-los Thinkstock Mais

Comer diariamente um peixe rico em ácidos graxos, como o besugo ou o salmão, reduz o risco de desenvolver câncer no fígado, assegura um estudo realizado pelo Centro do Câncer do Japão. A pesquisa revelou que os participantes que comeram um peixe de tamanho médio diariamente tiveram 36% menos chances de desenvolver câncer de fígado com relação ao grupo que ingeriu apenas um pescado por semana Thinkstock Mais

Estudo inédito do Instituto Agronômico (IAC) de Campinas, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), encontrou quantidade expressiva de isoflavona, ácido que previne doenças coronárias, no feijão. Nos estudos, ficou constatado que a quantidade de isoflavona varia conforme a variedade do feijão. "A quantidade encontrada no feijão Pérola, que é padrão no mercado, foi de 0,8 mg/grama, enquanto no IAC Formoso foi de 8,92 mg/grama", explica o pesquisador Alisson Fernando Chiorato Divulgação/Guilherme Tosetto Mais

A ingestão de mais cafeína poderia diminuir o risco de desenvolver carcinoma basocelular, uma forma comum de câncer de pele, segundo um estudo publicado na revista Cancer Research. O estudo também apontou uma relação inversa entre a ingestão de cafeína de diversas fontes alimentícias (café, chá, bebidas gaseificadas e chocolate) e o risco de basalioma, mas não se constatou alguma associação entre o consumo de café descafeinado e uma diminuição do risco de câncer. Thinkstock Mais

Comer 75 gramas de nozes por dia melhora a vitalidade, a mobilidade e a morfologia dos espermatozóides nos homens de entre 21 e 35 anos, segundo um artigo publicado na revista 'Biology of Reproduction'. Estudos anteriores haviam indicado que 75 gramas de nozes poderia ser a dose que os níveis de lipídios no sangue poderiam mudar, mas que não contribuiria ao aumento de peso já que também fornecem gorduras e proteínas Thinkstock Mais

Comer tomates, ricos em licopeno, um potente antioxidante, reduz o risco de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), revela estudo finlandês publicado na revista da American Academy of Neurology. A pesquisa indica que pessoas com taxas mais elevadas de licopeno no sangue têm 55% menos possibilidade de sofrer um AVC do que pessoas com taxas mais baixas deste antioxidante Thinkstock Mais

Comer três ou mais porções de mirtilo (blueberry) e morango por semana pode ajudar as mulheres a reduzir o risco de ataque cardíaco em um terço, segundo pesquisa publicada no periódico "Circulation: Journal of the American Heart Association". O trabalho analisou 93.600 mulheres de 25 a 42 anos por um período de 18 anos. As que consumiam regularmente essas frutas apresentaram um risco 32% menor de ter ataques do coração em relação às que comiam mirtilo e morango no máximo uma vez por mês Thinkstock Mais

Os vegetarianos sofrem menos doenças do coração, revela um amplo estudo britânico, o que parece confirmar as conclusões de recentes pesquisas americanas que vinculam o consumo de carne vermelha a um risco maior de mortalidade. No estudo britânico, publicado nos Estados Unidos, cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, descobriram que as pessoas que seguem a dieta vegetariana têm reduzido em 32% o risco de hospitalização e morte por doenças cardiovasculares em comparação com as que consomem carne e peixe ThinkStock Mais

Veja estudos recentes sobre os benefícios dos alimentos

Mais álbuns de Ciência e Saúde x

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE UOL SAÚDE

UOL Cursos Online

Todos os cursos