PUBLICIDADE
Topo

Enfermeira com ebola na Espanha recebe alta

5.nov.2014 - A enfermeira espanhola aparece pela primeira vez desde sua internação ao lado do corpo médico que cuidou dela no hospital de Madri - Fernando Alvarado/ EFE
5.nov.2014 - A enfermeira espanhola aparece pela primeira vez desde sua internação ao lado do corpo médico que cuidou dela no hospital de Madri Imagem: Fernando Alvarado/ EFE

Em Madri

05/11/2014 11h38

A enfermeira espanhola que foi a primeira pessoa infectada com ebola fora do continente africano deixará nesta quarta-feira (5) o hospital de Madri, onde superou a doença e recebeu alta depois de um mês internada.

"Teresa Romero, paciente e profissional de nosso hospital, receberá alta, o que significa uma grande notícia depois de um mês muito complicado para todos nós", anunciou o diretor do hospital Carlos III, Rafael Pérez-Santamaría.

Romero, de 44 anos e que foi internada em 6 de outubro, foi infectada depois de participar no atendimento a um missionário espanhol afetado pelo vírus, repatriado de Serra Leoa em 22 de setembro e que faleceu três dias depois.

Mais sobre o ebola

A enfermeira estava na equipe que atendeu um primeiro missionário repatriado com ebola da Libéria, que faleceu em 12 de agosto.

"Não há vestígio do vírus em seu organismo", afirmou o diretor da unidade de doenças infecciosas, José Ramón Arribas. "Ela pode ter uma vida completamente normal", completou.

Mas o médico lembrou que Teresa passou 30 dias no hospital por uma infecção muito grave e ainda levará algum tempo para se recuperar totalmente.

O caso de Teresa e a quarentena exigida a 15 pessoas que tiveram contato direto com ela provocaram medo na Espanha, algo que os médicos tentaram desativar com uma mensagem de tranquilidade.

A doença também provocou um debate sobre as supostas medidas insuficientes de prevenção que colocaram trabalhadores do setor da saúde em perigo por contato com o vírus ebola.

Entenda o ebola

  • O que é o ebola?

    É uma doença causada por vírus, que pode ser fatal em até 90% dos casos. A morte geralmente ocorre por falhas renais e problemas de coagulação, em até duas semanas após a aparição dos primeiros sintomas.

  • Como se contrai o vírus?

    Ele é transmitido pelo contato direto e intenso com sangue e fluidos corporais (como suor, urina, fezes e sêmen, por exemplo) de pessoas contaminadas e de tecidos de animais infectados. Até o momento, não há notícias de pessoas que transmitiram o vírus antes de apresentarem os sintomas.

  • Quais os sintomas mais comuns?

    Febre repentina, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça e inflamação na garganta. Depois, vômito, diarreia, coceira, deficiência hepática e renal e, em alguns casos, hemorragias internas e externas. O período de incubação costuma ser de dois a 21 dias, ou seja, esse é o tempo que pode levar para a pessoa infectada começar a apresentar os sintomas.

  • O que é um caso confirmado?

    Um caso suspeito com resultado laboratorial positivo para o vírus ebola realizado em laboratório de referência.

  • O 1º exame negativo descartada a doença?

    Não. O descarte só é feito após dois exames laboratoriais negativos com intervalos de 48h entre eles.

  • Qualquer unidade de saúde pode colher sangue para teste?

    Não. Esta doença é de notificação compulsória imediata. O Ministério da Saúde recomenda que, em caso de suspeita, a pessoa seja isolada e o ministério, acionado imediatamente para que o paciente seja levado a uma unidade de referência. Somente neste local pode ser feita a coleta de sangue.

  • Qualquer laboratório pode manipular o sangue de um caso suspeito?

    Não. Apenas um laboratório no Pará tem nível internacional de segurança 3 e, por isso, é o único credenciado pelo Ministério da Saúde para manipular e diagnosticar vírus ebola.

  • Como transportar pacientes suspeitos e/ou confirmados com ebola?

    Uma ambulância é previamente envelopada (seu interior é coberto por plástico para que não haja contato dos instrumentos com o paciente). Durante o transporte, tanto o paciente quanto a equipe médica e o motorista utilizam Equipamentos de Proteção Individual (EPI): macacão de tyvek, protetor facial, bota, luvas, entre outros.

  • O paciente deve ser colocado na ambulância em maca-bolha?

    Não há essa indicação técnica, já que a doença não é transmitida pelo ar e os profissionais de saúde estão usando todos os EPIs indicados no protocolo.

  • O que é feito quando há confirmação de caso de ebola?

    Os pacientes devem ser mantidos isolados, em suporte intensivo, em hospitais de referência para tratamento de doenças infecciosas graves. Todo e qualquer profissional de saúde que tiver contato com o paciente deve estar usando EPI.

  • O ebola tem tratamento específico?

    Não. Em geral os médicos recorrem a medicamentos para aliviar os sintomas, mas a cura depende do organismo do paciente. Existem apenas remédios e vacinas experimentais sendo testados no Canadá e nos EUA. O Zmapp, publicado no meio científico desde 2012, foi usado em humanos pela 1ª vez no surto atual, já que a OMS só libera o uso de medicamentos de alto risco em situações extremas.

  • Existe risco de epidemia de ebola no Brasil?

    O risco é extremamente baixo. Mesmo que haja casos confirmados isolados, a adoção de protocolos de isolamento, monitoramento e bloqueio evita a ocorrência de surto.

  • Quais países têm mais casos de ebola?

    Guiné, Libéria e Serra Leoa vivem surtos de ebola, e há casos na Nigéria e no Congo. EUA, Espanha e Reino Unido levaram compatriotas infectados para tratamento em seus países.

  • Como pode ser feita a notificação de um caso suspeito?

    O Ministério da Saúde disponibilizou alguns canais para profissionais de saúde: o telefone 0800 644 6645 e o e-mail notifica@saude.gov.br. A população pode usar o número 136.