Vacina não é cura para a rinite alérgica; conheça tratamentos

Paula Moura

Colaboração para o UOL

  • Getty Images

Espirrar várias vezes seguidas, coriza, coceira e nariz entupido. Todo mundo já passou por isso em uma gripe ou resfriado, mas em algumas pessoas a inflamação da mucosa nasal é crônica e aí está a rinite alérgica. A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia estima que 3 em cada 10 brasileiros têm sintomas relacionados à rinite alérgica. 

Muito se tem falado de vacina para tratar a inflamação, mas ela não é nova e nem o tratamento inicial para todos os casos, avaliam os especialistas. Enquanto outras rinites são causadas por vírus, bactérias ou desencadeadas por fatores hormonais, emocionais, reação a medicamentos, as rinites alérgicas têm sua origem na genética. Isso faz com que o tratamento seja mais difícil.

"Se formos bem rigorosos, não tem cura, a não ser que se mude o gene da pessoa", explica Olavo de Godoy Mion, presidente da Academia Brasileira de Rinologia. O componente genético também aparece em outras alergias parecidas na família ou na própria pessoa, como alguns tipos de asma e dermatites.

Sendo uma doença genética, qual seria o tratamento?

Geralmente, duas medidas já são suficientes para controlar a doença, que pode ser leve, moderada ou grave. A primeira e principal delas é evitar o contato com o elemento que causa a alergia. O maior causador de rinite alérgica no mundo inteiro é o ácaro, aracnídeo microscópico que se alimenta de pele descamada.

Onde está o ser humano, tem ácaro. Eles estão no lençol, colchão, nossas roupas, cobertor, travesseiro, na poeira domiciliar."

Olavo de Godoy Mion

Portanto, evitar contato com poeira doméstica, colocar capas no colchão e no travesseiro e evitar muita umidade no ar são medidas imprescindíveis. Outras fontes de alergia são pelos de animais (cães, gatos, cavalos e até vacas), fungos do ar e pólen. Além dos fatores causadores, também há elementos chamados de irritantes, pois ajudam a inflamar o nariz: como poluição, perfumes, fumaça de cigarro.

A segunda parte da higiene preventiva é usar solução fisiológica para limpar o nariz. "Quanto mais sujo o ar, mais sujo fica o nosso filtro e portanto ele deixa de ser tão eficaz. A pessoa acaba respirando pela boca, a própria sujeira no nariz machuca um pouquinho o nariz e o que dá alergia penetra mais", diz João Mello, chefe do grupo de Alergia em Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

Remédios para aliviar os sintomas

A higiene ambiental já reduz muito a chance de crises, mas para aliviar os momentos de irritação, alia-se a isso o uso de remédios. São eles os descongestionantes nasais e os anti-histamínicos. Esses remédios vão apagar o incêndio causado pela inflamação: um desentope o nariz e outro reduz a produção de histamina, substância produzida pelo corpo que desencadeia a inflamação.

Outro tipo de remédio são os preventivos. Aplicados por spray, são os corticosteroides, outro tipo de anti-inflamatório. Eles reduzem a inflamação alérgica no nariz, pois têm efeito local apenas. Eles são usados por prazos mais longos. Segundo Mion, na rinite leve são usados de 1 a 3 meses, na moderada vão de 3 a 6 meses e vai além de seis meses na grave.

"A grande maioria a gente trata com remédio mesmo, o corticosteroide tira a inflamação que vem da alergia", diz. O spray precisa ser usado diariamente e da forma orientada pelo médico. "Se o paciente usá-lo irregularmente e em baixa dose ele não terá efeito clínico. Se utilizá-la em altas doses pode ter efeitos colaterais. O mais comum é o surgimento de sangramento nasal e irritação local", ressalta Mello.

Quando é hora de partir para a vacina?

Os especialistas consultados pelo UOL lembram que a imunoterapia é uma alternativa apenas para quando o tratamento com higiene ambiental e remédios não está funcionando e as crises são muito frequentes. Isso significa que ou o paciente continua tendo muitos sintomas ou, apesar de ficar bem usando os remédios, não consegue parar de usá-los.

"Por exemplo, está usando o spray no nariz, para e uma semana depois está péssimo", explica o médico da USP. "Ou seja, vai ter que ficar sempre usando o remédio". Outro caso é quando o paciente tem alguma contra indicação ao uso do spray.

Além disso, num primeiro momento, as vacinas antialérgicas não substituem os remédios. "É um processo, é uma série de vacinas, a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é que sejam feitas por um período de 2 a 5 anos embora a pessoa já fique bem muito antes que isso", ressalta Mello. Segundo ele, em geral os pacientes ficam bem de 4 a 6 meses, mas é preciso fazer por um período longo para que isso fique gravado na pessoa. "É importante fazer de longo prazo para que dure muitos anos".

O tratamento é longo porque a vacina funciona de forma oposta às vacinas contra a gripe, por exemplo. Em vez de introduzir um antígeno para fazer o corpo produzir um anticorpo contra ele, a vacina da alergia visa a reduzir a produção de um anticorpo característico da doença alérgica. "O sistema imunológico vai se acostumando com aquele antígeno, vai se dessensibilizando", observa Mion.

A imunoterapia não é uma novidade, começou a ser feita há cerca de um século contra alergia a pólen, lembra Mello. Em cidades como São Paulo, onde o ar não é de boa qualidade, as pessoas têm mais rinite alérgica e asma devido aos fatores irritantes, que ajudam a piorar a doença.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos