Topo

1ª fase de vacinação contra a gripe imuniza 20%; veja perguntas e respostas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

03/05/2019 04h00

A vacinação contra a gripe entra no último mês de campanha com a missão de vacinar 47,3 milhões de pessoas em todo o Brasil. Embora a campanha deste ano tenha começado mais cedo, apenas 20,5% do público-alvo foi imunizado entre os dias 10 e 30 de abril, ou 12,2 milhões de pessoas. O Dia de Mobilização da campanha acontece neste sábado.

De acordo com o Ministério da Saúde, 427 pessoas já foram infectadas pelo vírus influenza em 2019 e contraíram a Síndrome Respiratória Aguda Grave, a forma mais perigosa da doença.

Ao todo, 81 pessoas morreram. No Amazonas foram 35 óbitos, seguido por Paraná (8), Pará (7), São Paulo (6), Rondônia (3), Tocantins (3), Espírito Santo (3), Rio Grande do Norte (2), Acre (2), Alagoas (2) e Ceará (2). Outros oito estados registraram uma morte cada um: Bahia, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Distrito Federal e Rio de Janeiro.

"A vacina tem de ser tomada o mais precocemente possível", afirma o médico infectologista Roberto Florim, da Vacinar Centro de Imunização. "É melhor que seja antes do inverno. Por isso o outono é a melhor época."

Mas, afinal, você sabe como o governo produz a vacina, se vale a pena pagar pela opção quadrivalente e como se proteger se ainda não se vacinou? Veja essas e outras respostas:

Como é feita a vacina?

"Todos os anos a OMS (Organização Mundial da Saúde) monitora o comportamento da influenza no mundo inteiro, e então ela prepara a receita da vacina com as cepas [tipos] que mais se espalharam nos últimos meses. Uma vacina para o inverno no hemisfério Norte, outra para a estação no hemisfério Sul", explica Florim.

Quais as cepas escolhidas para a vacina de 2019?

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina trivalente produzida neste ano pelo Instituto Butantan, em São Paulo, teve mudança em duas das três cepas. Agora ela é composta da seguinte forma: H1N1, H3N2 e linhagem B/Victoria/2/87.

Qual desses vírus é o mais letal?

"O H1N1 ainda é o mais prevalente", diz o médico. "Ele é o mais comentado por ser responsável pela pandemia de 2009/2010 [que ficou conhecida como gripe suína], mas ele muda todos os anos e já não é o mesmo daquela época", explica. Ao todo, 18,5 mil pessoas morreram em todo o mundo entre abril de 2009 e agosto de 2010.

Como é a fabricação da vacina?

Amostras dos vírus são injetadas em ovos de galinha que contêm um embrião ainda em desenvolvimento. Os ovos são incubados para o influenza se multiplicar. É o líquido que envolve o embrião dentro do ovo que serve de matéria-prima para a vacina. Depois de desenvolvida, é só extrair o vírus e inativá-lo para que ele não cause a doença

Vale a pena comprar a vacina quadrivalente, com quatro cepas dos vírus?

Para o médico, a trivalente, oferecida pelo governo, "é bastante razoável no sentido de saúde pública". "Mas, individualmente, para quem tem condições financeiras, o ideal é tomar a quadrivalente, porque um ou outro vírus pode ter uma disseminação mais fácil e rápida do que o previsto", diz Florim.

Por que o governo não distribui a quadrivalente?

Segundo o Instituto Butantan, sua produção em larga escala da vacina influenza trivalente "atende às solicitações do Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde". "Em paralelo a isso, o Butantan já possui a tecnologia para produzir a vacina Influenza tetravalente (com duas cepas do vírus Influenza A e outras duas do vírus Influenza B). O instituto tem a maior fábrica de produção da vacina no Hemisfério Sul e entregou antecipadamente 64 milhões de doses para Campanha Nacional de 2019."

Quantas doses foram produzidas pelo governo? Quantas pessoas serão vacinadas?

O Ministério da Saúde enviará aos estados 64,7 milhões de doses da vacina para 41,8 mil postos de vacinação, com o envolvimento de 196,5 mil pessoas e a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais. Até o final da mobilização, em 31 de maio, 59,5 milhões de pessoas devem receber a dose.

Qual o público que mais precisa de imunização?

Devem receber a vacina crianças, gestantes, trabalhadores de saúde, povos indígenas, puérperas (mulheres até 45 após o parto), idosos (a partir dos 60 anos), professores, pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico, população privada de liberdade, incluindo adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, e funcionários do sistema prisional. "A meta é vacinar pelo menos 90% de cada um dos grupos prioritários", informa o ministério.

Mas, neste ano e pela primeira vez, as forças de segurança entraram no grupo prioritário: serão vacinados todos os bombeiros, policiais militares, civis, federais e os rodoviários federais "porque são eles que fazem o controle da segurança da sociedade", diz o ministério, em um total de 900 mil pessoas.

Como se previne da gripe quem ainda não se vacinou?

"Lave as mãos com álcool gel, porque a transmissão também acontece pelo contato com objetos. O conselho vale muito para crianças que brincam na escola ou no jardim", recomenda o infectologista. "Aos já infectados, recomenda-se usar máscara e lenço na hora de espirrar ou tossir. É uma barreira que funciona."

Tire suas dúvidas sobre a vacinação contra a gripe

TV Jornal

Mais Notícias