PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
4 meses

Prefeitura de Goiânia cancela festas de carnaval e impõe novas restrições

Rogério Cruz (Republicanos), prefeito de Goiânia, defendeu as medidas para prevenir covid e H3N2 - Alberto Maia/Câmara de Goiânia/Divulgação
Rogério Cruz (Republicanos), prefeito de Goiânia, defendeu as medidas para prevenir covid e H3N2 Imagem: Alberto Maia/Câmara de Goiânia/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

18/01/2022 15h11

A Prefeitura de Goiânia anunciou hoje novas regras de restrição para conter o aumento de casos de covid-19. O município proibiu a realização de festas de carnaval e pré-carnaval e restringiu a lotação de estabelecimentos a 50% da capacidade.

Bares, restaurantes, lanchonetes e similares só poderão receber metade da lotação máxima da casa e devem respeitar o distanciamento de 1,5 m entre as mesas. Boates e casas de espetáculos terão a mesma limitação da capacidade e será proibido o uso de pistas de dança e a permanência de pessoas em pé.

A regra de lotação máxima de 50% é válida ainda para shoppings, cinemas, celebrações religiosas, eventos sociais corporativos, academias e ainda locais abertos e recreativos como parques e o zoológico.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Durval Pedroso, as medidas, que serão publicadas no Diário Oficial do Município amanhã, são necessárias para não sobrecarregar o sistema de saúde.

O prefeito da cidade, Rogério Cruz (Republicanos), defendeu que as medidas são necessárias não apenas para evitar a covid-19, mas também a gripe H3N2.

As doenças estão aí e a nossa maior preocupação é com a gripe também, que está tirando muitas pessoas do emprego e levando para o pronto-atendimento. Diferentemente da Covid-19, no caso da H3N2, não há vacina disponível ainda.
Rogério Cruz, prefeito de Goiânia

A prefeitura informou que as novas regras não se aplicam aos eventos já autorizados na data de publicação do decreto. No entanto, para garantir a realização, será necessário rever os protocolos sanitários aplicáveis.

As novas regras serão revistas a cada 15 dias pela prefeitura, levando em conta o cenário epidemiológico da cidade.

Saúde