Funcionários públicos argentinos marcam segunda greve contra demissões de Macri

Em Buenos Aires (Argentina)

  • Marcos Brindicci/Reuters - 11.dez.2015

    Mauricio Macri, presidente da Argentina

    Mauricio Macri, presidente da Argentina

Os funcionários públicos vão fazer um segundo dia de greve nacional na próxima quarta-feira (23) contra milhares de demissões na administração federal e nas provinciais promovidas pelo governo de Mauricio Macri desde que este assumiu o mandato, no dia 10 de dezembro de 2015, alegando ineficiência e modernização do Estado.

A Associação de Trabalhadores do Estado (ATE) convocou mobilizações em cidades de todo o país, com a adesão de professores universitários e profissionais de saúde.

"Reclamamos ao presidente Macri, aos governadores, que acabem com as demissões e habilitem espaços necessários para a reincorporação dos estatais afetados", declarou o secretário-geral da ATE, Hugo Godoy, em entrevista à imprensa nesta terça-feira (15).

Segundo Godoy, as demissões no setor público rondaram os 28 mil postos entre o Estado nacional e as províncias, dos quais "conseguimos que se reincorporem 8.000", admitiu.

O governo de Macri justificou as demissões de funcionários públicos indicando que eles eram, na maioria, pessoas que entraram nas instituições públicas por militância política ou contratados que só querem receber seus salários.

No entanto, as denúncias de organizações defensoras de direitos trabalhistas se multiplicam com a demissão de milhares de funcionários de carreira em diferentes ministérios.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos