Autoridades propõem reduzir o sal na indústria alimentícia dos EUA

Washington, 1 Jun 2016 (AFP) - As autoridades americanas anunciaram nesta quarta-feira diretrizes não vinculantes para a indústria alimentícia e de restaurantes para reduzir o sal em seus produtos, uma medida que as autoridades médicas e grupos de consumidores exigiam há muito tempo.

"Todos os indicadores científicos mostram a necessidade de reduzir os atuais níveis de sal que são consumidos", assinalou Susan Mayne, diretora do Centro de Segurança Alimentícia e Nutricional da Agência americana de Alimentos e Medicamentos (FDA).

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Enfermidades (CDC), uma diminuição de 40% no consumo de sal na próxima década poderia salvar 500.000 vidas nos Estados Unidos e economizar cerca de cem bilhões de dólares em gastos de saúde.

Os americanos consomem, em média, 3.400 miligramas (mg) de sal de mesa por dia, ou seja, cerca de 50% a mais do que a quantidade máxima, fixada em 2.300 mg, recomendada pelos especialistas médicos.

As diretrizes propostas para a indústria pela FDA, com metas de dois a dez anos, pretendem ajudar os americanos a reduzirem gradualmente o sal que consomem para chegar a 2.300 mg por dia, afirmou a agência em um comunicado.

As medidas apontam ao estabelecimento de objetivos razoáveis para reduzir, de forma voluntária, o sal contido na maioria das refeições e alimentos prontos, abrangendo mais de 150 categorias de produtos, que vão de pães a sopas.

A FDA informou confiar em que os objetivos a curto prazo de reduzir o consumo de sal diário perto dos 3.000 mg "está ao alcance das mãos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos