Atentados em zonas turísticas da Tailândia deixam quatro mortos

Em Hua Hin

  • Reuters

Ao menos quatro pessoas morreram em diversos ataques com explosivos contra centros turísticos na Tailândia nas últimas horas, informaram as autoridades nesta sexta-feira (12).

No popular balneário de Hua Hin, ao sul de Bangcoc, quatro explosões mataram duas pessoas e feriram dezenas.

Na noite de quinta-feira, um duplo atentado matou uma vendedora ambulante tailandesa e feriu outras 19 pessoas, incluindo turistas estrangeiros, informou a polícia local.

As duas explosões ocorreram com trinta minutos de intervalo, perto de bares na zona de vida noturna da cidade, após as 22:00 (12h de Brasília).

"Uma mulher tailandesa foi morta, e no total (...) 19 pessoas ficaram feridas. Desses 19, três estão em estado grave e sete dos feridos são estrangeiros - quatro mulheres e três homens", disse à AFP um agente da polícia local de Hua Hin, acrescentando que há duas holandesas feridas.

"A primeira bomba explodiu diante de um pub" situado na zona turística de Hua Hin, a duas horas de Bangcoc. A segunda bomba explodiu 30 minutos depois, a cerca de 50 metros, em uma zona mais próxima da praia, onde estão vários bares e restaurantes frequentados por turistas.

Os feridos foram hospitalizados em Hua Hin e a imprensa local divulgou imagens de turistas estrangeiros recebendo os primeiros socorros.

Horas depois, na manhã de sexta, outro duplo atentado matou mais uma pessoa e feriu três em Hua Hin, segundo um oficial local, Sutthipong Klai-udom..

Um terceiro atentado provocou mais um óbito em Surat Thani, 400 km ao sul de Hua Hin, na zona de acesso às ilhas turísticas do sul da Tailândia.

"A bomba matou uma funcionária municipal. Acho que está ligado com as explosões de Hua Hin", disse à AFP o governador da província de Surat Thani.

O explosivo estava escondido em um canteiro de flores diante de uma delegacia, segundo as primeiras informações.

Em Trang, também no sul do país, uma bomba em um mercado matou um cidadão tailandês.

No balneário de Phuket, muito popular entre os turistas estrangeiros, outras duas explosões deixaram ao menos um ferido, de acordo com as autoridades.

Hua Hin, principal alvo dos ataques, é um balneário frequentado por turistas estrangeiros e também por tailandeses. A cidade está lotada desde a quinta-feira, início do feriadão na Tailândia por ocasião no aniversário da rainha, nesta sexta.

Na avenida da praia em Hua Hin, invadida por grandes hotéis internacionais e bares, também se encontra a residência de verão da família real.

Semear o caos

Os ataques, que não foram reivindicados, "buscam semear o caos", declarou o chefe da Junta Militar Tailandesa, general Prayut Chan-O-Cha.

O general se perguntou as razões destes ataques "quando nosso país se encaminha para a estabilidade, uma economia melhor e turismo".

As autoridades militares contam com o turismo para reativar a estancada economia do país.

É comum que pequenas explosões atinjam a Tailândia durante períodos de tensão política elevada, mas houve poucos incidentes desse tipo no ano passado, e é raro que locais turísticos sejam alvos.

No último grande atentado na Tailândia, em agosto de 2015, a explosão de uma bomba plantada em um templo hindu da capital matou 20 pessoas, em sua maioria turistas estrangeiros. Este foi o ataque mais mortífero desse tipo na história recente do país.

O ataque de 2015 em Bangcoc, o pior da história del país, não foi reivindicado, mas as autoridades suspeitam que foi cometido por um grupo ligado à minoria muçulmana uigur da China, sem vínculo com o terrorismo internacional islâmico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos