PUBLICIDADE
Topo

Após ciclone norte da Austrália parece 'zona de guerra'

3329.mar.2017 - Estrada bloqueada por árvores caídas após a passagem do ciclone Debbie na ilha Hamilton, na Austrália - AFP - AFP
Imagem: AFP

Em Ayr (Austrália)

29/03/2017 01h47

O norte da Austrália parecia nesta quarta-feira uma "zona de guerra", segundo as autoridades, após a passagem do ciclone Debbie, que deixou um rastro de destruição em cidades que estão isoladas e sem eletricidade.

29.mar.2017 - Estrada bloqueada por árvores caídas após a passagem do ciclone Debbie na ilha Hamilton, na Austrália - AFP/Dennis Garrett - AFP/Dennis Garrett
Imagem: AFP/Dennis Garrett

Debbie, que atingiu a categoria quatro (1 a 5) na terça-feira sobre o Estado de Queensland, tocou a terra entre Bowen e Airlie Beach com ventos de 270 km/h, destruindo os lugares mais turísticos da região.

Nesta quarta-feira, Debbie perdeu força e se transformou em depressão tropical, mas o departamento de Meteorologia adverte para o risco de fortes ventos, chuva intensa e inundações.

 

As estradas de acesso a Bowen, Airlie Beach e Proserpine estão bloqueadas por árvores, e cerca de 50 mil pessoas estão sem eletricidade na região.

Até o momento não há registro de mortes, mas um homem ficou gravemente ferido na terça-feira na queda de um muro.

29.mar.2017 - Árvores caídas após a passagem do ciclone Debbie pela ilha Hamilton, na Austrália - AFP PHOTO / Dennis Garrett - AFP PHOTO / Dennis Garrett
Imagem: AFP PHOTO / Dennis Garrett

Dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas de forma preventiva e algumas das ilhas mais turísticas na região da Grande Barreira de Coral foram atingidas.

O Hotel Daydream Island Resort informou que sofreu danos graves, principalmente em seu cais e nos apartamentos. "As condições foram extremas, com muita chuva e violentas rajadas de vento, que danificaram o hotel e seus arredores".

Imagens nas redes sociais revelavam um avião tombado, iates jogados em terra, postes elétricos derrubados e árvores sobre casas destruídas.

O prefeito de Whitsunday, Andrew Willcox, descreveu Bowen como uma "zona de guerra". "Esta magnífica cidade costeira está quase destruída, mas vamos reconstruí-la", disse ao Channel Nine.

Na cidade mineira de Collinsville, os telhados foram arrancados, revelou a imprensa local. "Estou destruída, emocional e fisicamente. Passei as piores 24 horas da minha vida", disse Julie, 53 anos, a Australian Broadcasting Corporation.

Equipes iniciaram nesta quarta-feira a avaliação dos prejuízos. Helicópteros e aviões militares aguardavam ordens para participar das operações de limpeza do governo central.

Debbie foi o ciclone mais violento no país desde a passagem do Yasi, em 2011, que destruiu casas ao norte de Queensland e provocou danos avaliados em 1 bilhão de dólares.