Greve geral contra medidas de austeridade pode parar o Brasil nesta sexta

Rio de Janeiro, 27 Abr 2017 (AFP) - Os principais sindicatos do Brasil convocaram para esta sexta-feira uma greve geral e manifestações contra as medidas de austeridade impulsionadas pelo presidente Michel Temer, em um país que se debate contra a recessão e um desemprego recorde.

O governo, confrontado com o escândalo de corrupção da Petrobras que atinge vários ministros e boa parte da base aliada, aposta em um rápido avanço das impopulares reformas trabalhista e da previdência.

A greve ameaça paralisar os meios de transporte, incluindo os aeroportos. Várias companhias aéreas já propuseram a seus clientes que mudem gratuitamente seus voos previstos para sexta-feira.

Em São Paulo, o prefeito João Dória anunciou um acordo com o aplicativo Uber e com uma companhia de táxis on-line para garantir o transporte de funcionários públicos que se recusarem a aderir à greve.

Segundo a imprensa brasileira, Temer declarou que os grevistas não receberão o pagamento referente ao dia, contrariando o que acontece quando se trata de paralisações legais.

Os sindicatos dos professores, dos servidores da saúde e dos Correios também anunciaram sua adesão ao movimento, assim como os dos metalúrgicos e dos bancários no setor privado.

"Esquenta Greve geral: dia 28 para tudo!", aparece na página principal do site da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

"A mobilização é necessária para mostrar ao governo a força da classe trabalhadora, que não aceita a retirada de direitos", afirmou Paulo Pereira da Silva, mais conhecido como Paulinho da Força, presidente da central Força Sindical.

O dirigente, que também é deputado pelo partido Solidariedade, da base aliada de Temer, ameaça passar para a oposição caso as reformas sejam aprovadas sem modificações.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se juntou às críticas e pediu "aos cristãos e pessoas de boa vontade" que se mobilizem contra a reforma da previdência, que pretende aumentar o período de contribuição e a idade mínima para se aposentar para ter direito ao valor completo.

Temer substituiu em 2016 a presidente Dilma Rousseff, destituída pelo Congresso sob a acusação de maquiar as contas públicas. A taxa de popularidade do mandatário conservador é de apenas 10%.

Os sindicatos intensificaram este ano a contestação, com dois dias de protestos, em 15 e 31 de março.

A reforma trabalhista já recebeu um aval parcial na quarta-feira na Câmara dos Deputados e agora o Senado deverá examiná-la. Suas disposições dão mais poder aos acordos coletivos em detrimento da legislação e elimina a contribuição obrigatória aos sindicatos.

A flexibilização do mercado trabalhista é vista como fundamental para reduzir o desemprego, que se encontra em um nível recorde de 13,2%.

O texto foi aprovado por 296 votos a favor e 177 contra, uma maioria menor do que a esperada pelas deserções de aliados e que seria insuficiente para modificar o regime de aposentadorias, por se tratar de uma reforma constitucional, que requer a adesão de 308 dos 513 deputados (três quintos das cadeiras).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos