PUBLICIDADE
Topo

Croatas votam em eleições legislativas marcadas pelo coronavírus

05/07/2020 16h06

Zagreb, 5 Jul 2020 (AFP) - Os conservadores croatas, que lideram as eleições legislativas neste domingo, de acordo com uma pesquisa de boca de urna, parecem bem posicionados para permanecer no poder e formar um governo de coalizão que terá que enfrentar a pandemia de coronavírus e suas consequências econômicas.

Já se esperava votação, que ocorreu à sombra de uma recuperação nos casos de coronavírus, bastante apertada, mas a pesquisa da Ipsos indicam que o HDZ, do primeiro-ministro Andrej Plenkovic, superou seus principais rivais na coalizão de centro-esquerda liderada pelos sociais-democratas de Davor Bernardic.

Os conservadores que dominam a vida política desde a independência da Croácia em 1991 ganhariam 61 assentos em 151 no Parlamento. A coalizão de centro-esquerda ficaria com 44, e o partido de Miroslav Skoro, cantor populista e nacionalista, ocuparia 16 cadeiras.

Na ausência de uma maioria absoluta, o primeiro-ministro deve agora iniciar negociações que podem durar dias. Uma das opções possíveis para o HDZ é abrir negociações com o "Movimento Patriótico" de Skoro.

A incerteza sobre o futuro dominou a campanha, já que a economia croata muito dependente do turismo cairia cerca de de 10%, sua pior contração em décadas.

- "Muitas coisas devem mudar" -Andrej Plenkovic, de 50 anos, apostou que a difícil situação que está por vir incentivasse os eleitores a permanecerem fiéis a um partido no poder desde 2016.

"É necessário fazer eleições sérias e não política para políticos", disse o primeiro-ministro. "A Croácia não precisa de experimentos como com Bernardic ou Skoro".

O partido no poder destacou suas ações diante da crise de saúde. Este país dos Balcãs, membro da União Europeia, tem cerca de de 110 mortos e 2.800 casos para um total de 4,2 milhões de habitantes.

No entanto, há duas semanas, após saldos baixos ou quase nulos, o país começou a registrar algumas dezenas de casos diários.

Davor Bernardic, de 40 anos, acusa o governo de "ter colocado a Croácia em perigo deliberadamente", ao decidir levar adiante as eleições durante a pandemia.

Andrej Plenkovic, entretanto, defendeu essa decisão, depois de depositar sua cédula.

Era melhor realizar as eleições "o mais rápido possível", pois os especialistas prevêem que a situação da saúde poderá ser "mais perigosa no outono".

A oposição também aproveitou a ocasião de uma série de escândalos envolvendo o HDZ para denunciar "o caminho da corrupção".

"Propomos mudanças claras para um novo começo na Croácia", disse o social-democrata ao votar.

Miroslav Skoro, de 57 anos e ex-membro do HDZ, que seduz a ala direita do partido conservador decepcionada com as políticas moderadas de Andrej Plenkovic, afirmava ser "a única garantia de mudança".

ljv-ssm-ev/etr//mab/zm/aa