PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
9 meses

Tiroteio em funeral deixa 14 pessoas feridas em Chicago

Policiais isolam área para analisar local alvo dos disparos que deixaram 14 pessoas feridas em funeral nos EUA - Scott Olson/Getty Images/AFP
Policiais isolam área para analisar local alvo dos disparos que deixaram 14 pessoas feridas em funeral nos EUA Imagem: Scott Olson/Getty Images/AFP

22/07/2020 00h04

Quatorze pessoas ficaram feridas após um tiroteio ocorrido em um funeral, nesta terça-feira (21), em Chicago, cidade norte-americana que está na mira do presidente republicano Donald Trump, que ameaça enviar agentes federais para conter a criminalidade no local.

Os criminosos abriram fogo de dentro de um carro contra as pessoas que compareceram a um funeral, que dispararam de volta contra o veículo, explicou à imprensa Eric Carter, membro do Departamento de Polícia de Chicago. Em seguida, o carro sofreu um acidente e todos os passageiros puderam escapar.

Polícia analisa carro que pode ter sido usado em tiroteio que deixou 14 feridos nos Estados Unidos - Scott Olson/Getty Images/AFP - Scott Olson/Getty Images/AFP
Polícia analisa carro que pode ter sido usado em tiroteio que deixou 14 feridos nos Estados Unidos
Imagem: Scott Olson/Getty Images/AFP

Quatorze pessoas ficaram feridas e foram hospitalizadas, completou a polícia, sem dar mais informações sobre a gravidade das lesões.

A violência é endêmica em alguns bairros de Chicago, o que levou o presidente Trump a afirmar que a situação na cidade é "pior que no Afeganistão", um país devastado por décadas de guerra.

O mandatário republicano ameaça enviar forças de segurança federais a várias cidades governadas por democratas, como Chicago e Nova York, após um primeiro deslocamento de agentes para Portland, no noroeste do país.

"Não vamos abandonar Nova York, Chicago, Filadélfia, Detroit e Baltimore", declarou Trump, acusando as autoridades destas cidades de serem membros da "esquerda radical".

Os prefeitos democratas de Portland, Seattle, Chicago, Atlanta e da capital federal, Washington, enviaram uma carta ao Departamento de Justiça em oposição ao "envio unilateral" de forças federais para suas cidades.