PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Talibãs decretam cessar-fogo de três dias no Afeganistão após onda de violência

10/05/2021 16h59

Cabul, 10 Mai 2021 (AFP) - Os talibãs anunciaram nesta segunda-feira (10) um cessar-fogo de três dias no Afeganistão pela festa de Eid al Fitr, que marca o fim do Ramadã, dois dias após um atentado contra uma escola, do qual negam a autoria.

"Saudamos este anúncio e qualquer medida que permita ao povo afegão uma trégua da violência. Instamos o Talibã a estender o cessar-fogo", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em entrevista coletiva.

O país vive uma onda de violência desde 1º de maio, data em que o governo dos Estados Unidos supostamente deveria ter retirado os 2.500 soldados que permanecem no país.

Após o anúncio dos talibãs, o presidente afegão, Ashraf Ghani, ordenou que as Forças Armadas devem "respeitar o cessar-fogo" e pediu uma trégua permanente, anunciou o palácio presidencial.

Horas antes do anúncio, pelo menos 11 pessoas morreram na explosão de uma bomba na passagem de um ônibus pela província de Zabul (sul), informou o Ministério do Interior.

No sábado, aconteceu o atentado mais violento do ano na entrada de uma escola para meninas em Cabul. Ao menos 50 pessoas morreram, a maioria estudantes, e quase dez ficaram feridas em uma série de explosões.

Nesta segunda-feira, os talibãs ordenaram "aos mujahedines dos emirados islâmicos (os talibãs) que cessem todos os ataques contra o inimigo em todo país, do primeiro ao terceiro dia do Eid", uma celebração cuja data depende da fase da Lua, afirma um comunicado divulgado pelos insurgentes.

O Eid al Fitr é a festa muçulmana que marca, nesta semana, o fim do Ramadã. No ano passado, os talibãs também declararam cessar-fogo pelas festas muçulmanas.

- "Cessar-fogo duradouro" -Normalmente, o governo responde declarando um cessar-fogo, mas o principal negociador do país, Abdullah Abdullah, afirmou mesta segunda-feira que o país precisa de um cessar-fogo permanente.

"Acreditamos que a melhor maneira de sair da crise é acelerar as negociações de paz, declarar um cessar-fogo duradouro e acabar com os combates para sempre", destacou, em um comunicado.

As explosões de sábado em frente a uma escola em um bairro predominantemente xiita de Hazara, muitas vezes visado por extremistas sunitas, no oeste de Cabul ocorreram enquanto os moradores faziam compras para Aid al Fitr.

No domingo, os corpos de dezenas de meninas foram enterrados em um cemitério no topo de uma colina em Cabul.

Rashed Hashimi, morador de Cabul, acredita que os talibãs deveriam parar de lutar quando as forças americanas deixarem o país.

"Os talibãs afirmavam que lutavam contra os estrangeiros, mas agora os estrangeiros estão partindo. Então, por que lutam contra os afegãos?", questionou.

Para o analista político Fawad Kochi, o cessar-fogo serve aos líderes talibãs para dar um respiro a suas forças nos combates, que se intensificaram desde o início da retirada das tropas americanas em 1º de maio.

"O governo tentará por todos os meios prolongar o cessar-fogo, mas os talibãs voltarão ao campo de batalha logo depois do Eid", afirma.

O governo afegão acusa os talibãs pelo ataque de sábado, mas os insurgentes negam qualquer responsabilidade.

Os talibãs afirmam que não executaram nenhum ataque em Cabul desde fevereiro de 2020, quando assinaram um acordo com o governo dos Estados Unidos. O pacto abriu caminho para as negociações de paz e a retirada das últimas tropas americanas.

Eles continuam lutando diariamente, porém, contra as forças governamentais no interior do país.

Washington deveria ter retirado suas tropas até 1º de maio, com base no acordo de fevereiro de 2020, assinado no Catar com os talibãs pela administração do então presidente Donald Trump.

O atual governo dos Estados Unidos adiou a retirada para 11 de setembro, data do 20º aniversário dos atentados da Al-Qaeda contra Nova York e Washington em 2001, o que provocou a irritação dos talibãs.

Seu líder, Hibatullah Akhundzada, advertiu no domingo que um adiamento na saída das tropas seria uma violação do acordo.

"Se o governo dos Estados Unidos voltar a violar seu compromisso, o mundo deve ser testemunha e responsabilizar (Washington) pelas consequências", disse Akhundzada.

burs-jds/fox/oho/juf/ob/zm/tjc/fp/tt