PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Gangues enfrentam a polícia em comunidade de Caracas com armas de grosso calibre

14/06/2021 21h16

Caracas, 15 Jun 2021 (AFP) - Pelo menos uma pessoa morreu nesta segunda-feira (14), supostamente vítima de uma bala perdida, em uma comunidade de Caracas, onde a polícia enfrenta criminosos que tentam tomar o controle da área com armas de grosso calibre.

O médico do hospital que recebeu a vítima - uma mulher de 48 anos - disse à AFP, sob anonimato, que o corpo chegou sem sinais vitais e com um tiro na região torácica.

A falecida é uma enfermeira identificada como Yuraima Díaz Araujo, que morreu "devido a uma bala perdida nos atos de violência em La Vega, enquanto fazia fila para abastecer seu carro", informou no Twitter Ana Rosario Contreras, presidente do colégio de enfermeiros de Caracas.

A trabalhadora de saúde "era a provedora de seus dois filhos pequenos e de sua mãe", informou o colégio de profissionais de enfermagem da capital venezuelana em um comunicado.

Segundo reportagens da imprensa local, outras duas pessoas foram mortas por ferimentos a bala na região de La Vega, uma perigosa favela que ocupa um morro na zona oeste da capital venezuelana.

Testemunhas disseram à AFP que o tiroteio desta segunda-feira começou de madrugada e que a vítima foi atingida por uma bala enquanto abastecia seu carro com gasolina.

"Por volta das 4, 5 da manhã eles estavam trocando tiros", disse William, de 37 anos, morador da área. "Os disparos são ouvidos claramente e são armas de grosso calibre porque nenhuma pistola soa assim".

No meio da tarde, a situação estava calma, confirmaram jornalistas da AFP, que viram cerca de 30 policiais com armas apontadas para o morro. Com as ruas fechadas e sem carros ou transporte público, muitas pessoas correram pelas ruas, com medo dos disparos.

A ministra do Interior, Carmen Meléndez, informou no fim de semana sobre uma "operação impecável" com mais de 1.400 funcionários da Polícia Nacional nesta área, que culminou na prisão de 38 pessoas.

Armas de grosso calibre, como fuzis, metralhadoras, rifles, explosivos C4 e granadas foram apreendidos.

Drogas também foram encontradas durante a operação, disse Meléndez, e dois policiais ficaram feridos.

Um operação das temidas Forças de Ação Especial da Polícia Nacional (FAES)em La Vega terminou em um "massacre" de 23 pessoas em janeiro.

Nos últimos dias, tiroteios também foram registrados em outras áreas populares de Caracas, como El Valle e a vizinha Cota 905.

O governo não respondeu ao pedido de uma versão oficial dos fatos nesta segunda-feira.

A Venezuela registrou 12.000 mortes em atos violentos em 2020, segundo a ONG Observatório Venezuelano da Violência (OVV), uma taxa de 45,6 por 100.000 habitantes, sete vezes maior que a média mundial.

ym-yc-jt/mbj/gm/jc/mvv