PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Capturado 'Otoniel', principal chefe do narcotráfico na Colômbia

23/10/2021 21h51

Bogotá, 24 Out 2021 (AFP) - O governo da Colômbia anunciou neste sábado (23) a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (codinome 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de dólares.

"Este é o golpe mais duro que se desferiu no narcotráfico neste século no nosso país (...) comparável somente com a queda de Pablo Escobar", comemorou o presidente, Iván Duque, em mensagem à nação.

Cerca de 500 homens, apoiados por 22 helicópteros, foram mobilizados no município de Necoclí (noroeste) para executar a operação, na qual morreu um policial.

Foi "A mais importante inserção na selva que se viu na história militar do nosso país", afirmou Duque.

Procurado pelas autoridades, 'Otoniel' "não chegava a ter nenhuma casa, dormindo em condições de chuva sem se aproximar de residências", detalhou o diretor da polícia, general Jorge Vargas.

A queda do líder da maior quadrilha de traficantes da Colômbia é o principal êxito do governo do presidente conservador no combate ao crime organizado no país que mais exporta cocaína no mundo.

"Sobre este delinquente há ordens de extradição e trabalharemos com as autoridades para cumprir também esta missão", antecipou o presidente.

Imagens divulgadas pelo governo mostram o homem de 50 anos com as mãos algemadas e cercado por militares. Otoniel, denunciado pela justiça americana em 2009, é requisitado pela corte do Distrito Sul de Nova York.

- Empresa criminosa -Úsuga lidera um grupo de paramilitares que se autodenomina Autodefesas Gaitanistas da Colômbia (AGC), presente em quase 300 cidades do país, segundo o centro de estudos independente Indepaz.

O líder do tráfico foi capturado em uma área próxima da fronteira com o Panamá e um dos principais redutos das AGC, também conhecidas como Clã do Golfo.

O governo aponta o grupo, que se financia principalmente com o narcotráfico, o garimpo ilegal e a extorsão, como um dos responsáveis pela onda de violência que assola o país, a pior desde a assinatura de um acordo de paz com a guerrilha das Farc, em 2016.

"Terá que ser o fim desta organização que fez tanto mal aos colombianos", disse o general Vargas.

- Perseguição feroz -Em 2017, 'Otoniel' tinha anunciado a intenção de chegar a um acordo para se apresentar à justiça, mas o governo respondeu com uma perseguição feroz, da qual participaram pelo menos 1.000 militares.

A organização foi dizimada em uma série de investidas das autoridades contra o círculo próximo do líder do narcotráfico, que se escondida dormindo na selva e descartando o uso de telefones, segundo a polícia.

'Otoniel' passou a chefiar o Clã do Golfo após a morte de seu irmão, Juan de Dios, aliás 'Giovanni', em confrontos com a polícia em 2012. Ele combateu junto ao Exército Popular de Libertação, uma guerrilha marxista desmobilizada em 1991.

Voltou a combater junto a grupos paramilitares de extrema direita, que semearam terror nos anos 1990 com massacres e atrocidades cometidas em sua luta contra as guerrilhas de extrema esquerda.

Muitos destes grupos de autodefesa se desmobilizaram em 2006 por iniciativa do governo de Álvaro Uribe (2002-2010). Mas 'Otoniel' decidiu se manter na ilegalidade.

Após meio século de luta contra o narcotráfico, a Colômbia permanece como o principal produtor mundial de cocaína e os Estados Unidos, como o maior consumidor da droga.

jss/vel/rsr/mvv