PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Exército do Sudão deixará governo nas mãos de civis após cinco dias de manifestações

04/07/2022 17h43

Cartum, 4 Jul 2022 (AFP) - "O exército não participará do diálogo" nacional organizado no Sudão, patrocinado pela ONU e pela União Africana (UA), anunciou nesta segunda-feira (4) o general golpista Abdel Fatah al-Burhan, para permitir que os civis formem um "governo de personalidades competentes".

O general fez o anúncio na televisão, enquanto centenas de sudaneses se manifestavam pelo quinto dia consecutivo em Cartum e nos subúrbios da capital para exigir que os militares abandonem o poder e denunciem a repressão, que já deixou 114 mortos.

Também anunciou que "depois da formação de um governo que se ocupe dos assuntos, dissolveremos o Conselho Soberano e formaremos um Conselho Supremo das Forças Armadas", que também incluirá os paramilitares e que passará a estar encarregado apenas das questões de "defesa e segurança".

No entanto, no bairro de Bourri (Cartum), grupos de manifestantes levantaram barricadas, visivelmente pouco convencidos pelas promessas do chefe militar.

- "Não temos confiança" -"Não temos confiança em Burhan, estava lá para a dispersão" sangrenta da "revolução" que derrubou o ditador Omar al Bashir em 2019, e "logo deu seu golpe em 25 de outubro, então nós só queremos que vá embora de uma vez por todas", afirmou a AFP Mohannad Othmane, em uma das barricadas.

"Queremos que seja julgado por todos os que foram assassinados depois do golpe" - 114 manifestantes, segundo médicos pró-democracia -, reiterou Umeima Husein, que se manifestava em outro bairro da capital. "Vamos o derrubar como derrubamos Bashir", afirmou.

O Conselho Soberano, a máxima autoridade de transição no Sudão, foi formado em 2019 após a "revolução" que levou à destituição do ditador Omar al Bashir, que estava há trinta anos no poder.

Depois disso, foi formado um governo de transição que incluía civis e militares e que estava liderado pelo economista Abdalá Hamdok. No entanto, em 25 de outubro de 2021, o golpe liderado pelo general Burhan encerrou a frágil divisão de poderes.

Os civis foram afastados do Conselho Soberano e do governo e o poder ficou em mãos dos militares e de seus aliados paramilitares e ex-rebeldes armados.

Desde então, manifestações pró-democracia acontecem todas as semanas. O movimento perdeu força há alguns meses, mas parece ter recuperado força desde quinta-feira, após a morte de nove manifestantes. Centenas ficaram feridas na repressão dos protestos.

- "Até que o governo caia" -A repressão de quinta-feira, o dia de protestos mais mortal de 2022, desencadeou um movimento "espontâneo", afirmam vários manifestantes à AFP.

Desde sexta-feira, os manifestantes se organizaram em três protestos na capital Cartum e nos bairros de Omdurman (noroeste) e em Cartum Norte (nordeste), já que as forças de segurança bloqueavam as pontes que unem o centro com o resto dos bairros de periferia.

Nesta segunda-feira, um manifestante que não quis fornecer seu nome afirmou que os protestos durariam "até que o governo caia (...) mesmo que isso demore um mês, um ano ou dois".

Até agora, as Forças da Liberdade e Mudança (FLC), que lideraram a revolta que derrubou Omar al Bashir, e o partido Umma (o mais antigo do país), boicotaram o diálogo nacional.

"Não temos interlocutor", repetiam seus líderes, enquanto os manifestantes e os comitês de resistência afirmavam que não queriam discutir se a repressão não terminasse antes e os detidos fossem libertados.

A mensagem de segunda-feira marca uma reviravolta na situação e as Forças da Liberdade e da Mudança (FLC) se reuniram em uma "reunião de urgência" para decidir o caminho a seguir após o anúncio de Burhan, indicou um de seus funcionários à AFP.

ab/jvb/pc/aa/ap