Líder do PT aponta exagero e ilegalidade em pedido de prisão de Santana

deputado federal Afonso Florence, novo líder do PT na Câmara

Afonso  Florence  diz  que  "é  evidente"  o interesse

da  Lava  Jato  em  atingir  o  PT, a  presidenta Dilma

e o ex-presidente LulaDivulgação/Agência Câmara

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Afonso Florence (BA), criticou hoje (22) a decretação da prisão do publicitário João Santana na 23ª fase da Operação Lava Jato. Na nova etapa da operação, deflagrada nesta segunda-feira, é investigada a relação do publicitário com a empresa Odebrecht, que teria feito repasses financeiros a Santana no exterior.  "É obvio que a decretação da prisão de João Santana é um exagero, é obvio que há ilegalidade", disse Florence.

João Santana foi o responsável pelas campanhas da presidenta Dilma Rousseff em 2010 e em 2014 e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição, em 2006.

Segundo o deputado, ter instituições de controle externo autônomas é uma conquista, mas é importante refletir sobre o trabalho que estão fazendo. Para Afonso Florence, essas instituições têm o dever de investigar, mas com parcimônia e de forma isenta, o que não está acontecendo hoje. Ele disse que tais instituições tem o dever de investigar, mas ressaltou: "tem gente vestindo a camisa do PSDB, quando passou num concurso para agir em nome do Estado. E está agindo em nome de interesses políticos específicos".

Perguntado se há interesse da Operação Lava Jato em atingir o PT, a presidenta Dilma e o ex-presidente Lula, Florence respondeu que sim. "É evidente. Há um esforço desmedido e ilegal de agentes públicos para atingir o mandato da presidenta Dilma, a imagem pública, a pessoa do presidente Lula." Para o deputado, no caso do ex-presidente, não há nada além de busca malograda de pistas. "Se não fosse trágico para a democracia e para o patrimônio político brasileiros, seria cômico, porque é a perseguição do insucesso que tem sido feito por alguns agentes públicos", afirmou.

De acordo com o líder petista, quando há denúncias em delações premiadas na Lava Jato contra pessoas de partidos de oposição como o PSDB ou o DEM, são mantidas em sigilo e só divulgadas quando arquivadas. Segundo Florence, foi o que ocorreu com denúncias contra o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, já falecido, e o senador Aécio Neves (MG). Porém, disse o deputado, quando as denúncias são contra o PT, são vazadas sem que sejam feitas investigações e sem que haja comprovação.

Questionado sobre quem seriam os agentes públicos que trabalham contra o PT, Florence citou delegados da Polícia Federal, promotores públicos e juízes que atuam na Lava Jato. Reafirmando que, na Lava Jato, o PSDB não é investigado, o líder petista afirmou que estão em andamento "um Plano B, um Plano C, um Z, para impedir Lula de disputar a eleição em 2018. Todo mundo sabe. É óbvio, todo mundo sabe."

O deputado enfatizou que parece haver interesse em acobertar o PSDB e produzir "um ambiente de condenação prévia, sem nenhum prova, ao PT". Para Afonso Florence, a imagem da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário ficará abalada se não for garantido o tratamento isonômico para todos os cidadãos. "O PT está sendo molestado, acusado sem provas, condenado previamente por busca de indício, de pista. No caso do PSDB, o que existe é a absoluta ausência de investigação. Nesse caso, não há tratamento isonômico."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos