PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Dificuldade de acesso agrava crise sanitária em Manaus, diz prefeito

"Este povo que preserva a floresta e que vive no isolamento é punido por preservar", disse o prefeito de Manaus, David Almeida,  - Edmar Barros/Futura Press/Estadão Conteúdo
"Este povo que preserva a floresta e que vive no isolamento é punido por preservar", disse o prefeito de Manaus, David Almeida, Imagem: Edmar Barros/Futura Press/Estadão Conteúdo

19/01/2021 15h04

O prefeito de Manaus, Davi Almeida, disse hoje (19) que o enfrentamento ao novo coronavírus no Amazonas é dificultado pelo que ele classificou como o "isolamento" do estado em relação ao resto do país - afastamento que ele associou à preservação da Amazônia.

"Este povo que preserva a floresta e que vive no isolamento é punido por preservar", declarou Almeida durante a cerimônia que marcou o início da vacinação dos primeiros 20 mil profissionais da rede municipal de saúde. "A punição foi tão grande que pagamos com mortes", acrescentou.

Ao falar sobre as dificuldades de acesso e os desafios logísticos para transportar insumos hospitalares de outras regiões do país para Manaus, Almeida disse não crer que qualquer outra cidade brasileira venha a enfrentar problemas como os registrados na capital amazonense na semana passada, quando hospitais públicos e privados chegaram a ficar sem oxigênio medicinal.

"Em nenhuma cidade do Brasil vai acontecer o que aconteceu com Manaus porque [no resto do país], em 36 horas, qualquer caminhão, qualquer transportadora, entrega o produto de que hoje precisamos", disse o prefeito ao criticar a não-pavimentação da BR-319, rodovia que liga Manaus a Porto Velho (RO).

Segundo Almeida, depois que o aumento do consumo de oxigênio medicinal superou a capacidade de produção das fornecedoras locais, parte do produto passou a ser adquirido de outras regiões e transportado até Belém, de onde é levado para Manaus em balsas, em uma viagem que chega a durar cinco dias.

"Em cinco dias morrem todos", disse Almeida. "Será que o Brasil e o mundo não percebem que aquilo que deveria contar a nosso favor em função da preservação ambiental, serviu como uma sentença de morte" disse Almeida, que completou "Que lógica há nisso?" disse o prefeito, criticando as manifestações populares contrárias ao fechamento de atividades não-essenciais ocorridas em Manaus, em dezembro.

"Muito do que estamos passando hoje ocorre em função de questões políticas. Se lá atrás tivéssemos obedecido aquele decreto [do governo estadual] de distanciamento, não teríamos passado por este vexame", comentou Almeida, classificando os atos como "movimentos de insubordinação e desobediência civil".

Prefeitura de Manaus inicia campanha de vacinação contra Covid-19 Fotos: Dhyeizo Lemos / Semcom - Dhyeizo Lemos / Semcom