Grávida de 6 meses, moradora de Campinas é estuprada e morta na Bolívia

Em Sorocaba (SP)

  • Reprodução/Facebook/Priscila Franco Silva

    Priscila Franco Silva, 26, moradora de Campinas

    Priscila Franco Silva, 26, moradora de Campinas

A comerciante Priscila Franco Silva, 26, moradora de Campinas, interior de São Paulo, foi violentada e morta na cidade boliviana de Puerto Quijarro, na fronteira com o Brasil.

Ela estava grávida de seis meses e tinha viajado com um grupo de sacoleiras para comprar roupas --a cidade boliviana é vizinha de Corumbá, em Mato Grosso do Sul. O crime aconteceu no dia 8 e até esta terça-feira (12) o corpo permanecia em Santa Cruz de La Sierra, à espera de providências da família.

Sem recursos sequer para pagar a viagem de avião, o marido de Priscila, Thiago Henrique Batista Ferreira, 29, deve tomar um ônibus nesta quarta-feira (13) com destino à Bolívia.

Amigos e vizinhos do Jardim Bassoli, onde ela morava, lançaram uma campanha nas redes sociais na tentativa de conseguir dinheiro para o traslado do corpo. "Minha mulher era amiga dela e, além de estar grávida, a Priscila deixou dois filhos pequenos, de 4 e 6 anos. As crianças estão com a avó e ainda não sabem que a mãe está morta", contou Ivanil Silva.

Segundo ele, a viagem de Thiago será feita com a passagem de ida e com pouco dinheiro. "Estamos tentando ajudar, pois o governo não está dando nenhum apoio material."

Ivanil contou que Priscila costumava comprar roupas no Brás, em São Paulo, para revender no interior, mas foi convencida por uma amiga a se abastecer na cidade boliviana.

"A amiga já tinha ido e disse que tudo lá era mais barato." Ele não acredita numa das hipóteses levantadas pela polícia boliviana, de possível envolvimento com o narcotráfico. "Ela não tinha nenhum perfil para isso, inclusive a mãe dela, dona Chiquinha, era muito conhecida no bairro e faleceu recentemente."

Priscila foi encontrada num matagal, de bruços, com as mãos amarradas, e marcas de tortura. Os autores do crime levaram apenas dinheiro e documentos, deixando a bolsa de mão, mala e demais pertences com a vítima.

A perícia concluiu que ela sofreu violência sexual e foi estrangulada. Havia ainda ferimentos e contusões nas costelas. O marido reconheceu a mulher pelas fotos, por meio de tatuagem de borboletas e do nome dele gravado nas costas.

O coronel boliviano Hugo Justiniano Añez, comandante da Polícia de Fronteira, disse que Priscila deve ter sido morta em outro local e deixada no ponto em que foi avistada por um transeunte. Foi apurado que ela havia morrido 12 horas antes de o corpo ser encontrado, em local onde passam muitas pessoas.

A polícia boliviana pediu às autoridades brasileiras informações sobre os antecedentes criminais de Priscila. O objetivo é confirmar ou descartar a hipótese de que ela tenha sido morta por narcotraficantes.

Para o marido da brasileira, a hipótese não tem lógica. Ele disse que a mulher viajou com o dinheiro certo para comprar roupas e voltar a Campinas.

O Itamaraty informou que o caso é acompanhado pelo consulado brasileiro em Santa Cruz de la Sierra e pelo vice-consulado de Puerto Suárez. Segundo o Itamaraty, o traslado do corpo deve ser providenciado pela família, já que a legislação não permite que o governo brasileiro assuma os custos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos