Estado e Prefeitura querem liminar para exigir informação sobre trajeto

De São Paulo

Em conversa telefônica na manhã de quarta-feira (13), o prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiram trabalhar para que o Ministério Público Estadual (MPE) faça a intermediação entre o Passe Livre (MPL) e a Polícia Militar para evitar confrontos. Na prefeitura, há expectativa de que promotores peçam à Justiça uma liminar obrigando o MPL a informar o trajeto de futuras manifestações.

A liminar serviria para justificar ações da Polícia Militar para impedir a realização de atos sem aviso prévio do trajeto. No entendimento da Prefeitura, a definição prévia poderia fazer com que os PMs acompanhassem os protestos a uma distância maior, evitando ataques violentos como os ocorridos na Avenida Paulista.

Pessoalmente, Haddad espera que o MPE se posicione sobre qual interpretação da lei está correta: se é a do MPL, que acha que deve informar por onde passará sua passeata apenas após decidir o trajeto, já na manifestação, ou se a da Secretaria de Estado da Segurança Pública, que quer que as manifestações sejam informadas com tempo hábil para que as autoridades possam reorganizar o trânsito. A pauta da reunião marcada para a manhã de hoje (14) pelo Ministério Público é justamente discutir "o direito à livre manifestação".

Na conversa, Alckmin concordou com Haddad sobre a necessidade de ação do MPE no caso. O governador destacou o secretário Alexandre de Moraes, promotor de Justiça de carreira, para intermediar o contato com a procuradoria. Haddad também destacou um promotor de seus quadros, o controlador-geral do município, Roberto Porto.

Resistência

A militante do MPE Luíze Tavares, escalada como um dos porta-vozes do grupo, disse na noite de quarta-feira que o movimento ainda discutia a possibilidade de participar da reunião, mas que havia resistência por parte dos militantes. "Não é uma prática do MPL sentar em uma sala fechada com instituições de governo. A possibilidade é se for uma reunião pública, na rua, em que todos podem participar", afirmou.

Ela disse que os manifestantes ainda não descartaram a possibilidade de informar previamente à polícia o trajeto do protesto marcado para esta quinta. "Não é uma prática nossa, nunca fizemos isso até por uma questão de segurança para quem participa do ato, já que a polícia pode preparar emboscadas, como fez na rua da Consolação (dia 12). Mas isso ainda não está totalmente definido", disse. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos