O que interessa para o governo é que a Câmara ande, diz Geddel

De Brasília

O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, sinalizou nesta terça-feira, 31, que o governo Michel Temer continuará avalizando a presidência interina da Câmara do deputado Waldir Maranhão (PP-MA), desde que o parlamentar não atrapalhe as votações de interesse do governo.

"O que interessa para o governo é que a Câmara ande. E a Câmara está andando. Duas matérias que propomos foram votadas", afirmou Lima, em entrevista após almoço com líderes da base aliada da Câmara, um dia depois de Temer se encontrar com Maranhão no Palácio do Planalto.

Desde o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Casa, Maranhão assumiu o comando da Câmara e tem sido alvo de protestos de alguns partidos da base de Temer, que pedem sua saída. Os partidos alegam que o deputado do PP não tem condições de comandar a Casa.

A solução sugerida por líderes do chamado "Centrão" e do governo Temer na Câmara, André Moura (PSC-SE), - e aceita por Maranhão - foi diminuir a pressão pela saída do deputado do PP, desde que ele deixasse o comando de fato da Casa para outros líderes aliados de Temer.

Ministério da Transparência

O ministro disse ainda discordar sobre a defesa do nome de uma mulher para o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle. O cargo está vago desde essa segunda-feira, 30, quando Fabiano Silveira pediu demissão após divulgação de áudio em que ele dá orientações ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre como agir perante a investigação da Operação Lava Jato.

"Eu divirjo disso porque considero uma ofensa à mulher. Tem que encontrar uma pessoa competente e, se essa pessoa competente for uma mulher, bacana. Essa questão não é, na minha avaliação, de gênero apenas. Essa questão é de qualificação", afirmou. "Portanto, ele vai procurar alguém qualificado, seja homem, seja mulher ou de qualquer outro sexo", acrescentou o ministro da Secretaria de Governo.

Geddel Vieira Lima também disse não concordar com a tese de que o novo ministro da Pasta deve ser necessariamente um funcionário de carreira ou um técnico. "Aquele Paulo Roberto Costa era o que? Deu no que deu", afirmou, ao se referir ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras. Costa foi um dos principais delatores do esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

O ministro disse ainda que não houve resistência do presidente em exercício, Michel Temer, em demitir Fabiano Silveira nessa segunda-feira. Segundo Geddel, o ex-ministro "se antecipou" à decisão de Temer ao pedir demissão. "Ele é presidente da República, não é jornalista, que tem que escrever a primeira informação", afirmou, acrescentando que Temer, como presidente, precisa analisar com calma a situação antes de tomar suas decisões.

Geddel também negou que a saída de Fabiano tenha abalado a relação com a base aliada e, principalmente, com o presidente do Senado, Renan Calheiros. O senador é apontado como um dos fiadores da indicação do ex-ministro. Após negar que Fabiano tenha sido indicação de Renan, o ministro da Secretaria de Governo afirmou que não houve problemas na relação entre o governo Temer e o presidente do Senado após a saída de Silveira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos