Lava Jato faz 'ressonância' no 'corpo podre' da administração, diz ministro do STJ

  • Alan Marques/Folhapress

    Fachada da sede do STJ (Supremo Tribunal de Justiça), em Brasília

    Fachada da sede do STJ (Supremo Tribunal de Justiça), em Brasília

O ministro do STF (Superior Tribunal de Justiça) João Otávio de Noronha defendeu nesta segunda-feira (20), o trabalho da força-tarefa da Operação Lava Jato, com cooperação da Polícia Federal e do MPF (Ministério Público Federal), e com o juiz federal Sérgio Moro no comando dos processos judiciais. O trabalho coordenado, na visão dele, ajuda a combater os problemas existentes na administração do país.

"O que eles estão fazendo é uma ressonância nesse corpo podre que é a administração brasileira", afirmou Noronha.

O ministro rebateu as críticas que são dirigidas à condução da operação. Noronha frisou que todas as decisões de Moro, em primeira instância, são passíveis de recursos, e que a imprensa acompanha o caso, ampliando o controle social sobre o andamento das investigações.

Noronha também defendeu o critério usado para os acordos de leniência com as empreiteiras envolvidas em irregularidades. "O Marcelo Odebrecht pode voltar a contratar com o setor público? Óbvio que não", disse o ministro do STJ.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos