Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

Acordo entre defesa e acusação prevê só mais um depoimento nesta sexta

De Brasília

Um acordo entre a defesa e a acusação prevê que senadores só ouvirão o depoimento de mais uma testemunha de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff na sessão de julgamento final do impeachment desta sexta-feira (26), no Senado. Caso o acordo seja acatado pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Ricardo Lewandowski, que conduz os trabalhos, a defesa vai substituir a próxima testemunha a falar.

O advogado de defesa, José Eduardo Cardozo, pedirá para o ex-secretário executivo do Ministério da Educação do governo Dilma Luiz Cláudio Costa seja ouvido nesta sexta-feira, após o depoimento do economista e advogado Geraldo Prado, em vez do ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa. Pelo cronograma acertado, Barbosa seria ouvido neste sábado, 27, junto com a última testemunha de defesa: o professor Ricardo Lodi.

Neste momento, a sessão do julgamento final está suspensa até 19 horas, para que os senadores possam jantar. Quando os trabalhos forem retomados, senadores continuarão ouvido Geraldo Prado. Até agora, apenas o economista Luiz Gonzaga Belluzo foi ouvido, mas como informante, e não como testemunha de defesa.

Dilma fez "despedalada" e não houve crime de responsabilidade, diz Belluzzo

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos