Temer afirma que acusações contra ministros são "simples alegações"

De Tóquio

  • Beto Barata- 18.out.2016/Presidência

    Presidente Michel Temer durante entrevista à imprensa brasileira em Tóquio

    Presidente Michel Temer durante entrevista à imprensa brasileira em Tóquio

O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira (18) que o governo vai esperar que as denúncias de corrupção e caixa 2 que envolvem membros de seu governos nos últimos dias "se consolidem" antes de tomar providências - sem especificar quais. De acordo com o presidente, nomes como Moreira Franco, Geddel Vieira Lima e Romero Jucá são importantes porque "dialogam bem com o Congresso" e podem ajudar na tramitação de projetos e reformas. Temer está em Tóquio para uma visita oficial de três dias.

Nos últimos dias, duas novas denúncias atingiram ministros de seu governo. Em sua recente edição, a revista "Veja" afirmou que o secretário executivo do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), Moreira Franco, teria recebido R$ 3 milhões em propina para cancelar uma obra. A delação foi feita pelo executivo Claudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, que em depoimento disse à Procuradoria-Geral da República (PGR) ter pago o valor em 2014, quando o ministro era secretário de Aviação Civil no governo de Dilma Rousseff.

Questionado pela reportagem sobre as denúncias na manhã desta terça-feira, horário local, Moreira Franco reagiu irritado e se recusou a comentar.

Além dele, o ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB), é citado em depoimento da matemática Tania Maria Silva Fontenelle, ligada à construtora Carioca Engenharia. Ela afirmou ter comprado gado superfaturado da empresa Agrobilara Comércio e Participações Ltda, de forma a ampliar a movimentação de dinheiro em espécie, que teria como finalidade o caixa 2. A empresa tem como controladores membros da família Picciani, incluindo o ministro do Esporte; Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, e Rafael Picciani, deputado estadual e secretário municipal no Rio.

As informações fazem parte de um acordo de leniência assinado no escopo da Operação Lava Jato.

Temer não citou o nome de seus ministros envolvidos em denúncias, mas respondeu a uma pergunta sobre se escândalos que atingem nomes como o de Geddel, Moreira Franco e Romero Jucá não prejudicam os projetos do governo no Congresso. O presidente disse que não. "Em primeiro lugar, facilitam. São pessoas que dialogam bem com o Congresso, como eu, vocês sabem, dialogo muito bem com o Congresso Nacional. Acho que podem ajudar", afirmou.

A seguir, o presidente ponderou as denúncias, minimizando-as. "O envolvimento dos nomes se deu, convenhamos, por enquanto, por uma simples alegação, uma afirmação. É preciso que essas coisas se consolidem. Se um dia se consolidarem, muito bem, o governo verá o que fazer", disse, completando a seguir: "Se a cada momento que alguém mencionar o nome de alguém (na Lava Jato) e isso passar a dificultar a ação do governo, fica difícil".

Nessa quarta-feira, 19, ele se reúne com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e com o imperador Akihito.

No Japão, Temer tenta estreitar laços e busca investimentos

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos