Não se fala em crise institucional porque não existe, diz ministro da Casa Civil

Porto Alegre - O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, minimizou o estresse ocorrido esta semana entre o Legislativo e o Judiciário protagonizada pelo presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia. Segundo ele, não há crise institucional no Brasil e as instituições funcionam perfeitamente, com independência e harmonia.

"Crise institucional zero. As instituições, os poderes da República, funcionam plenamente. Portanto não existe crise institucional", afirmou nesta sexta-feira a jornalistas, ao chegar a evento na sede da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul).

Ele tratou de amenizar o episódio desta semana. "Nós tivemos sim, alguma discrepância entre como se vai interpretar um determinado fato entre o Legislativo e o Judiciário", afirmou Padilha.

Na semana passada, o juiz de primeira instância Vallisney de Souza Oliveira autorizou a prisão de quatro policiais legislativos, além de buscas na sede da Polícia Legislativa no Congresso Nacional. Após o episódio, o presidente do Senado, Renan Calheiros, declarou que a operação foi "fascista" e chamou o juiz responsável de "juizeco". A presidente do, ministra Cármen Lúcia, rebateu as críticas no início desta semana, dizendo que onde um juiz é "destratado", ela também é.

"Ontem (27) o Judiciário disse como deveria ser. Ponto, terminou (a crise)", acrescentou Padilha, referindo-se à decisão do ministro Teori Zavascki, do STF, que suspendeu, nessa quinta-feira, 27, os efeitos da Operação Métis no Senado.

De acordo com Padilha, a crise entre a opinião de uma pessoa e de outra não significa que há crise uma entre as instituições. "As instituições estão funcionando perfeitamente com independência e harmonia. Portanto não se fala em crise institucional porque ela não existe", avaliou. Depois, durante a palestra a empresários gaúchos, voltou ao tema, dizendo que as pessoas envolvidas no episódio "não estão brigadas".

O presidente Michel Temer entrou em cena para apaziguar os ânimos entre Legislativo e Judiciário. Nesta sexta-feira, reuniram-se no Itamaraty, os chefes dos três poderes: Temer, a ministra Cármen Lúcia, e Renan Calheiros, além do ministro da Justiça, Alexandre Moraes, que também esteve no centro da crise desta semana.

Greve

Perguntado sobre a decisão do STF dessa quinta-feira, que determinou que os servidores públicos que aderirem a paralisações tenham os dias de greve descontados do seu salário, Padilha limitou-se a dizer que "foi o Supremo Tribunal Federal quem disse, não é o governo que está dizendo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos