União deveria ser mais ativa na crise dos Estados, diz economista

Rio - O governo federal deveria ser mais ativo na questão federativa em meio à crise fiscal dos Estados, afirmou nesta sexta-feira, 2, o economista José Roberto Afonso, especialista em finanças públicas e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Do contrário, a crise pode caminhar para problemas na prestação de serviços públicos e exigir intervenção federal.

A questão, segundo Afonso, é que os governos estaduais não têm muito o que fazer. Diferentemente do governo federal, não podem emitir moeda ou dívida e financiar déficits orçamentários. "Os Estados estão se financiando no banco do fornecedor e no banco do servidor", afirmou Afonso, durante palestra em seminário promovido pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), no Rio.

Como exemplo da dificuldade que os Estados enfrentam, Afonso citou dados das contas públicas do Rio. O governo fluminense projeta rombo de R$ 17,5 bilhões nas contas deste ano. Os salários de outubro dos servidores públicos ainda não foram pagos integralmente e o Estado já disse que não sabe como pagar o 13º salário, ameaçando a prestação de serviços públicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos