Assessores são ligados a Forças Armadas e Abin

Brasília - Capitão da reserva do Exército, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem sua base eleitoral ligada a setores militares, como os ex-policiais identificados na rede de apoio ao motim no Espírito Santo. A maior parte da sua equipe de funcionários na Câmara, inclusive, também é formada por pessoas que já foram ligadas às Forças Armadas ou à polícia.

Como pré-candidato à Presidência, intensificou a presença nas redes sociais e costuma responder diretamente aos internautas. O assédio também cresceu. Em dias de votação na Câmara, costuma ser abordado com pedido de foto ou para gravar vídeos. "Tem gente que vem aqui e fica o dia inteiro para abraçá-lo e apertar a mão dele", contou Telmo Broetto, ex-agente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e capitão reformado, funcionário de Bolsonaro há 15 anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos