Testemunha afirma que viu garoto ser agredido por segurança do Habib's

Em São Paulo

Uma catadora de material reciclável afirma que viu o adolescente João Victor Souza de Carvalho, 13, ser agredido por "um homem forte, gordo, moreno com uniforme do Habib's" e desmaiar em seguida. A Polícia Civil investiga se o garoto morreu após ser agredido na noite de domingo (26) por seguranças da lanchonete, localizada na Avenida Itaberaba, na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo.

Silvia Helena Troti, 59, prestou depoimento no 28º DP (Freguesia do Ó), que investiga o caso. Ela afirmou que o homem segurou o garoto pela gola da camisa e deu um soco na cabeça dele. Ela também contou que presenciou um outro funcionário do Habib's "alto e magro" puxar o adolescente pelos braços junto com o primeiro agressor e, juntos, seguiram de volta para o Habib's. O menino desmaiou durante o trajeto e, segundo ela, espumava pela boca. Nesse momento, João Victor já estava desacordado e, só depois, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar apareceram.

Silvia também afirmou que se ofereceu para prestar depoimento na delegacia no dia dos fatos. Porém, segundo ela, os policiais militares que atenderam a ocorrência não quiseram ouvi-la, por achar que ela era "nóia". Hoje, durante o depoimento, ela foi acompanhada pelo advogado Ariel de Castro Alves, do Conselho Estadual de Defesa da Pessoa Humana (Condepe), que vai acompanhar as investigações. "Se os PMs tivessem dado crédito à testemunha, os autores desse crime bárbaro poderiam estar presos", afirmou Castro. Os pais de João Victor também prestaram depoimento na delegacia.

O caso

João Victor morreu na noite de domingo (26) depois de fugir de seguranças do Habib's, da unidade localizada na Avenida Itaberaba. Segundo a família dele, o garoto costumava pedir esmolas aos clientes, mesmo contra a vontade dos pais.

Na versão do gerente e do supervisor da unidade, o garoto estava "importunando os clientes, inclusive com um pedaço de madeira". "O adolescente ameaçava quebrar o vidro da loja e chegou a jogar pedras contra carros e um dos funcionários." Ainda segundo os representantes, um gerente e um supervisor, quando os funcionários foram repreendê-lo, o garoto "saiu correndo e, neste instante, teve um mal súbito". O menino caiu no meio da rua, de acordo com esta versão. Os seguranças envolvidos não foram ouvidos pelo delegado Julio Siqueira Gomes, do 13º DP (Casa Verde), onde o caso foi registrado.

Em nota, o Habib's informou que lamenta o caso e que vai colaborar com as investigações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos