Fachin diz não ter previsão para resposta aos pedidos de inquéritos da Lava Jato

Roberta Pennafort

No Rio

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    Fachin (d) vai analisar os pedidos de abertura de inquéritos enviados por Janot (e)

    Fachin (d) vai analisar os pedidos de abertura de inquéritos enviados por Janot (e)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato no tribunal, disse nesta sexta-feira (24) que não necessariamente irá apresentar na semana que vem o resultado de sua análise sobre as aberturas de inquérito pedidas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. É possível, portanto, que isso só ocorra no mês de abril.

"Estou lendo e sistematizando o trabalho. No total, são quase 900 requerimentos", desconversou Fachin, no Rio, onde participou de uma banca de concurso para professor da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). A agenda foi na Procuradoria-Geral do Município do Rio.

"Por agora, não há previsão. Vou usar o que dizia o (José Gomes) Pinheiro Machado, político do Império: 'não vou tão devagar, que pareça provocação, nem tão rápido, que pareça fuga'. A celeridade eu acho importante, mas tenho o ônus argumentativo para evidenciar as conclusões a que estou chegando. Qual é o tempo? O necessário".

A expectativa era de que o relator, que recebeu o material há três dias, tomasse suas decisões na semana que vem. São 83 pedidos de investigação de parlamentares e ministros, baseados na delação premiada de 78 executivos da Odebrecht. Ele também irá deliberar sobre 211 casos de pessoas sem foro privilegiado, que serão enviados a tribunais inferiores, e pedidos de arquivamentos, entre outras providências.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos