Operação Lava Jato

Delator entrega planilha com 4 repasses de caixa 2 a Roberto Freire, da Cultura

Rafael Moraes Moura

Brasília

  • Divulgação/Beto Barata/PR

    Presidente Michel Temer (e) cumprimenta Roberto Freire na cerimônia de posse do deputado como ministro

    Presidente Michel Temer (e) cumprimenta Roberto Freire na cerimônia de posse do deputado como ministro

O ex-executivo da Odebrecht Carlos Armando Guedes Paschoal entregou em sua delação premiada uma planilha com quatro repasses que teriam sido feitos ao atual ministro da Cultura, Roberto Freire (PPS-SP). Segundo o delator da Odebrecht, os pagamentos foram efetuados de 22 de julho a 14 de outubro de 2010 e totalizaram R$ 200 mil.

O objetivo da empreiteira, de acordo com Paschoal, era ajudar a campanha de Roberto Freire para o cargo de deputado federal em 2010 por meio de caixa 2. O apelido de Freire na planilha da Odebrecht era "Curitiba".

"E no caso dele, curiosamente, eu tenho até as datas que foram feitas as entregas: 22 de julho, 12 de agosto, 16 de setembro e depois em outubro, 14 de outubro", relatou Paschoal.

De acordo com o delator, houve um pedido do senador José Serra (PSDB-SP) ao ex-presidente do grupo Odebrecht Pedro Novis para que a empreiteira apoiasse Roberto Freire. "Se nós formos lembrar, a base política do Roberto Freire não era São Paulo, não é São Paulo, e eu me lembro que houve um pedido do José Serra ao doutor Pedro Novis para que nós apoiássemos o Roberto Freire", disse

Apesar das suspeitas de falsidade ideológica eleitoral em torno dos pagamentos a Roberto Freire, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu remeter os autos ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para se manifestar sobre a possível prescrição do crime.

"Considerando a data do fato, a pena máxima prevista para o delito do art. 350 do Código Eleitoral, a idade do investigado e o disposto nos arts. 107, inciso IV, 109, inciso III e 115, todos do Código Penal, antes de decidir sobre a instauração do inquérito, importa colher a manifestação do Procurador-Geral da República sobre eventual extinção da punibilidade do delito narrado", escreveu Fachin em sua decisão.

Outro lado: Roberto Freire

Em nota, o ministro Roberto Freire afirmou que, "em toda sua vida pública, nunca teve contato com os senhores Pedro Novis, Carlos Armando Guedes Paschoal e Benedicto Barbosa da Silva Junior, e que nunca pediu e nem recebeu doações destes senhores para suas campanhas" e que "também não autorizou nenhuma pessoa a lhe representar em qualquer situação".

Outro lado: José Serra

O Estado procurou a assessoria do senador José Serra desde sexta-feira, mas até a publicação deste texto não tinha obtido resposta. Em nota divulgada na quinta-feira, o senador tucano afirmou que a abertura do inquérito pelo STF é "uma oportunidade de demonstrar que não cometeu nenhuma irregularidade em suas campanhas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos