Operação Lava Jato

Ex-engenheiro da Petrobras devolveu propina por "peso na consciência", diz delator

Bernardo Gonzaga, especial para AE

Brasília

  • Agência Brasil

O ex-engenheiro da Petrobras Maurício Guedes se arrependeu de ter recebido propina num contrato entre a estatal e a Odebrecht, firmado em 2008, para a construção de uma planta industrial para a produção de ácido tereftálico purificado na cidade de Ipojuca (PE). Ele devolveu o dinheiro para um funcionário da empreiteira e agradeceu à pessoa que havia feito o pagamento por compreender o peso na consciência pelo qual passava.

"O Maurício chegou a abrir uma conta no Société Générale, aí numa das reuniões de rotina ele me disse que estava muito arrependido e que não queria que fizesse ligação dele com propina", contou o delator Rogério Santos de Araújo. "Ele se arrependeu depois que o dinheiro começou a cair na conta dele. Ele até agradeceu porque andava muito angustiado e foi um arrependimento de consciência, eu tenho impressão."

Araújo explicou que o dinheiro destinado a Guedes ainda se encontra parado na conta aberta pelo representante de banco David Arazzi. O combinado, disse ele, era que ninguém mexesse nos recursos, que poderiam ser usados em outros pagamentos de propina.

O delator afirmou ao Ministério Público Federal que buscava conversar com funcionários da Petrobras em almoços ou em ambientes mais reservados e oferecia propinas para, em contrapartida, buscar aditivos ao contrato para tentar melhorar o "resultado" da obra. Segundo o delator, o pagamento de propinas se estendeu por mais seis anos após a assinatura do contrato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos