CPMI da JBS adia em um dia depoimento de procurador suspeito de vazar informações

Thiago Faria e Renan Truffi

Brasília

A CPI mista da JBS adiou em um dia o depoimento do procurador Ângelo Goulart Vilella, suspeito de receber propina para vazar informações sobre investigações. A oitiva, inicialmente prevista para esta terça-feira, 26, ficou para a quarta-feira, 27, a partir das 9h.

No mesmo dia, a CPMI pretende ouvir também o advogado Willer Tomaz de Souza, que trabalhou para o grupo J&F e é acusado de pagar propina para Villela. Os dois tiveram as convocações aprovadas na quinta-feira passada, quando a comissão votou mais de cem requerimentos. Mais de 80% destes pedidos aprovados, conforme mostrou levantamento feito pela reportagem, tem como foco o Ministério Público e o grupo J&F.

Segundo o advogado de Vilella, Gustavo Badaró, a mudança de data foi um pedido dele, pois amanhã está previsto o julgamento de um recurso de Villela no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada na semana passada, Vilella fez críticas ao ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Segundo o procurador, o ex-PGR tinha pressa em derrubar Michel Temer da Presidência para impedir que Raquel Dodge fosse escolhida para sucedê-lo.

Badaró afirmou que, apesar de ter feito críticas a Janot durante a entrevista, o procurador não pretende utilizar o depoimento na CPMI para qualquer tipo de "revanchismo". "O Ângelo não tem nenhuma intenção de fazer um revanchismo com o Ministério Público, nenhuma retaliação pelo que aconteceu com ele. Ele quer voltar ao Ministério Público, quer provar sua inocência. Quer voltar e voltar de cabeça erguida", afirmou o advogado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos