PUBLICIDADE
Topo

Escolha de relator de nova denúncia contra Temer reabre crise tucana

Em 2ª denúncia, Temer é acusado de dois crimes

UOL Notícias

Daiene Cardoso e Igor Gadelha*

Em Brasília

29/09/2017 07h58

Em um movimento que agradou à base governista, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), escolheu um aliado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), o tucano Bonifácio de Andrada (MG), para relatar a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) e seus ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil). A escolha reabriu a crise no PSDB.

Pacheco ignorou os apelos do líder do PSDB, Ricardo Trípoli (SP), para que, desta vez, não escolhesse um tucano para a missão. Na primeira denúncia, o relatório que livrou o presidente foi produzido pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) e a bancada ficou dividida no plenário. Dos 47 deputados, 22 foram contra o prosseguimento da denúncia, 21 a favor e quatro se ausentaram.

Nos bastidores, parlamentares avaliam que a indicação de Bonifácio faz parte de uma operação casada para salvar o mandato de Aécio e segurar a nova denúncia. O parlamentar mineiro, que pertence à família do patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva, foi um dos deputados que ajudaram a segurar a primeira denúncia contra Temer por corrupção passiva, rejeitada em agosto pela Câmara dos Deputados.

A crise no PSDB volta à tona especialmente entre a ala paulista e a mineira. Enquanto os paulistas não fizeram esforço para preservar Temer, os mineiros ajudaram a barrar a primeira denúncia. Trípoli não descarta a possibilidade de tirar Bonifácio da CCJ, o que obrigaria Pacheco a redistribuir a relatoria para outro membro da comissão.

Bonifácio de Andrada (foto) é ligada a Aécio - Divulgação - Divulgação
Bonifácio de Andrada (foto) é ligada a Aécio
Imagem: Divulgação

Experiência

No anúncio, Pacheco disse que Bonifácio está "acima" das questões internas do PSDB. "Tenho certeza de que o PSDB haverá de ficar contente com a decisão", afirmou.

O peemedebista também minimizou o fato de Bonifácio ter votado a favor de Temer na primeira denúncia. "É uma nova realidade e confio muito na decência e na experiência do deputado Bonifácio", declarou o presidente da CCJ.

Nesta quinta-feira (28), o Palácio do Planalto evitou manifestações a respeito da escolha de Bonifácio. O discurso oficial segue a linha da primeira denúncia, de que espera que seja apresentado um relatório "técnico", favorável a Temer, com pedido de arquivamento de denúncia.

Interlocutores do presidente, no entanto, avisam que, caso a opção seja por relatório "político", contrário a Temer, um dos aliados governistas na CCJ será convocado a apresentar um relatório paralelo, repetindo o trâmite anterior.

Deputado Bonifácio de Andrada vota por rejeição de denúncia contra Temer

UOL Notícias

Perfil

Suplente na CCJ, Bonifácio não votou no colegiado, mas fez questão de se posicionar contra a primeira denúncia por corrupção passiva durante a fase de debates. Na ocasião, o tucano criticou o uso das gravações do empresário Joesley Batista como peça-chave da acusação da Procuradoria-Geral da República (PGR).

"Não sou a favor da admissibilidade. Não por razões políticas, mas puramente por razões de ordem jurídica. Não há base para andamento do processo", disse na comissão. Em 2 de agosto, dia da votação da denúncia no plenário, o deputado tucano votou com o governo "em favor das instituições e do progresso do Brasil".

O tucano tem 87 anos, é jornalista, advogado, professor de Direito Constitucional e cientista político. Ligado ao grupo de Aécio, o parlamentar está no seu décimo mandato, tem atuação discreta na Casa, mas é visto como uma espécie de "reserva moral" da bancada. Embora não tenha a intenção de disputar a reeleição, Bonifácio prepara seus filhos para a próxima eleição. A avaliação é de que qualquer deslize no relatório sobre a segunda denúncia poderia respingar sobre as candidaturas de Lafayette e Antonio Andrada.

"Temos muita convicção de que é um nome que preserva a comissão, que dá o tom necessário que nós precisávamos para a seriedade e necessidade de demonstração de imparcialidade na condução desse trabalho", justificou o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), ao anunciar seu escolhido.

Na primeira denúncia, Pacheco indicou Sérgio Zveiter (ex-PMDB e hoje Podemos-RJ), de perfil mais alinhado com a oposição. Em seu relatório, Zveiter afirmou que a acusação da Procuradoria não era "fantasiosa", como defende Temer, e deveria ser investigada. Agora, o peemedebista optou por um relator mais palatável ao Palácio do Planalto. "Nada melhor que alguém do PSDB, que vai convencer seus pares de que é importante votar contra a denúncia porque ela é inócua", disse o vice-líder do governo, Beto Mansur (PRB-SP). As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

*Colaboração de Tânia Monteiro e Carla Araújo