MP processa Prefeitura de SP por suposta fraude em concorrência para fazer carnaval de rua

Fabio Leite e Luiz Fernando Toledo

São Paulo

  • Marcos Camargo/UOL

    Carnaval de rua vem se tornando mais popular em São Paulo

    Carnaval de rua vem se tornando mais popular em São Paulo

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com ação civil de responsabilidade pela prática de improbidade contra a Prefeitura de São Paulo, por suspeita de direcionamento em favor da empresa Dream Factory para a realização do carnaval de rua neste ano.

Na ação, o promotor de Justiça Nelson Sampaio pede a condenação, perda do cargo e suspensão dos direitos políticos do vice-prefeito Bruno Covas; do secretário de Governo, Júlio Semeghini; do secretário de Cultura, André Sturm; e das agentes públicas Gabrielle Araújo, Gabriela Pereira e Karen Oliveira.

Desde junho o MPE investiga se a Prefeitura interferiu em uma concorrência para escolha do patrocinador oficial do carnaval de rua em favor da empresa Dream Factory.

Segundo reportagem da Rádio CBN, de junho, integrantes do primeiro escalão da Prefeitura participaram de reunião com diretores da Dream Factory. Nesse encontro, teriam orientado a empresa a modificar itens da planilha de serviços proposta para vencer a concorrência.

Em nota, a Prefeitura negou irregularidades e disse que o procedimento respeitou as leis. Destacou ainda que todos os atos praticados foram publicados no Diário Oficial da Cidade.

A Dream Factory disse que não vai se pronunciar por ainda não ter sido citada e que "está à disposição das autoridades". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos