PUBLICIDADE
Topo

PT reforça ao STF pedido para suspender condução coercitiva em interrogatório

4.mar.2016 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gesticula do portão da sua casa, em São Bernardo do Campo, após deixar sede do PT. Ele prestou depoimento para PF após receber condução coercitiva - Miguel Schincariol/AFP
4.mar.2016 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gesticula do portão da sua casa, em São Bernardo do Campo, após deixar sede do PT. Ele prestou depoimento para PF após receber condução coercitiva Imagem: Miguel Schincariol/AFP

Amanda Pupo, Breno Pires e Rafael Moraes Moura

Brasília

11/12/2017 17h03

Citando casos recentes em universidades federais e "forte reação na sociedade e na academia", o Partido dos Trabalhadores (PT) reiterou diante do Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de liminar para suspender o uso de condução coercitiva para realização de interrogatórios. Autor de ação sobre o tema, o PT justifica que não há previsão para julgamento, apesar do caso estar pronto para ser analisado no Plenário desde fevereiro - quando foi liberada pelo relator Gilmar Mendes - e por isso a necessidade de liminar pelo menos até o tema ser apreciado no mérito pelo plenário.

A condução coercitiva está prevista no artigo 260 do Código Penal e tem sido amplamente utilizada em operações da Polícia Federal. O partido sustenta que é ilegal o uso tanto para interrogatório quanto para obter depoimentos de suspeitos, indiciados ou acusados em qualquer investigação de natureza criminal.

A reiteração do pedido, encaminhada ao STF na última sexta-feira, 8, destaca a condução coercitiva de Jaime Arturo Ramirez e Sandra Goulart Almeida, respectivamente reitor e da vice-reitora da Universidade Federal de Minas Gerais, realizada na semana passada. Eles eram investigados em um inquérito policial. Segundo o PT, eles "não possuíam qualquer obrigação de prestar declarações nessa fase da investigação".

"A execução da medida restritiva de liberdade causou forte reação na sociedade e na academia, já impactadas pelo suicídio do Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, o professor Luiz Carlos Cancellier, ocorrido em 02 de outubro desse ano". Em outro trecho, o partido diz que, se a medida cautelar não for concedida, se repetirão "episódios de condução coercitiva de investigados para obtenção de depoimentos".

Silêncio

Segundo o PT, a condução coercitiva fragiliza o interrogado "psicologicamente e dificulta o exercício do direito ao silêncio", apontando a garantia constitucional da vedação de autoincriminação como um argumento pelo fim deste tipo de condução. A peça também afirma que, entre outros efeitos, a medida apresenta condições de "intimidação". "Dadas as suas características, a condução coercitiva com a finalidade de obtenção de depoimento revela-se inconstitucional e ilegal, porque o interrogatório é um ato processual facultativo para a defesa e não obrigatório".

"Não é o tempo de duração da restrição de liberdade que torna essa medida inconstitucional, mas o emprego de força física, a intimidação e a coação psicológica que tornam a condução coercitiva incompatível com o ato processual de colheita do depoimento do investigado ou acusado", diz o PT.

Protocolada em abril de 2016, a ação de descumprimento de preceito fundamental já conta com posicionamentos da Procuradoria-Geral da República (PGR), da Advocacia Geral da União, da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e foi liberado para julgamento pelo relator no dia 8 de fevereiro deste ano. O item chegou a ser incluído na pauta do plenário no mês de maio, mas não foi apreciado.

Esclarecimentos

Na manifestação da PGR de fevereiro deste ano, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que não procedia a tese defendida pelo PT, "de que a mera condução coercitiva de pessoa suspeita, investigada ou acusada, no curso de investigação criminal, inquérito policial ou processo judicial, por si, afrontaria a liberdade individual e o direito à não autoincriminação".

O parecer da PGR afirma que toda pessoa que figure como investigado ou réu em procedimento de natureza penal não é obrigada a produzir prova alguma. "A prova da prática criminosa é atribuição exclusiva da acusação. Disso decorre que o réu/investigado pode ficar em silêncio, e jamais se pode exigir que elabore provas em seu detrimento".

Segundo o então procurador, a condução coercitiva no processo penal somente deverá ser declarada indevida quando realizada com o fim específico de obrigar o conduzido a falar. A PGR também declara que o STF já decidiu, em outras ocasiões, ser possível a condução de investigados à autoridade policial para prestação de esclarecimentos.