Doria age para isolar adversários internos que defendem prévias

Pedro Venceslau

São Paulo

Aliados do prefeito de São Paulo, João Doria, tentam isolar o ex-senador José Aníbal e o sociólogo Luiz Felipe d'Ávila no PSDB para impedir que o partido realize prévias com objetivo de definir o candidato tucano ao governo paulista.

A proposta de lançar o nome de Doria sem submetê-lo a disputa interna será apresentada na próxima segunda-feira em uma reunião da executiva da legenda na capital.

O primeiro movimento dos correligionários do prefeito foi tentar "espelhar" em São Paulo uma resolução do diretório nacional que exige no mínimo dois anos de filiação para os pré-candidatos. Isso tiraria d'Ávila das prévias, já que ele assinou sua ficha há seis meses.

Como a cúpula tucana rejeitou a proposta, Doria teria tentado pessoalmente convencer o sociólogo a apoiá-lo. "Tivemos uma conversa e ele me pediu para juntarmos esforços", disse d'Ávila, que rejeitou a aproximação. Procurada, a assessoria do prefeito não quis comentar a declaração.

Outro pré-candidato, o secretário de Desenvolvimento Social à reportagem, Floriano Pesaro, afirmou à reportagem que abre mão da disputa se o prefeito colocar seu nome.

Em outra frente, o deputado estadual Roberto Massafera, líder do PSDB na Assembleia Legislativa, divulgou nesta terça-feira, 27, uma carta "oficializando" o apoio a Doria e pedindo para que os demais postulantes ao cargo desistam da disputa em "prol da unidade partidária".

O documento causou mal-estar na legenda, já que foi assinado por apenas sete dos 22 parlamentares da bancada. O gesto foi considerado uma "trapalhada" no entorno do prefeito.

Resposta

Em resposta à ofensiva de Doria, Aníbal e seus aliados defenderão na reunião do PSDB na segunda-feira, dia 5, que as prévias ocorram em maio, e não em março como quer o prefeito.

O ex-senador, que é presidente do Instituto Teotônio Vilela, centro de estudos e formação política do PSDB, quer que sejam feitos pelo menos dez debates entre os pré-candidatos. Já Doria não assume publicamente a pré-candidatura para evitar o desgaste político.

"Doria está fugindo do debate, das prévias e da Prefeitura", disse Aníbal à reportagem. "Doria está usando a máquina para fragilizar o partido na capital", completou. O prefeito não quis comentar a declaração.

"Com o novo cenário no PSDB nacional, que não vai mais fazer prévias para escolher o candidato à Presidência, entendo que não faz mais sentido manter as prévias em São Paulo", rebateu o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, aliado de Doria.

O acirramento da disputa interna preocupa o governador Geraldo Alckmin, que até o momento não se envolveu no processo. Segundo auxiliares, ele teme que sua base chegue dividida no maior colégio do País.

Uma votação expressiva no Estado é considerada determinante para compensar a vantagem da esquerda na Região Nordeste. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos