PUBLICIDADE
Topo

Novo presidente terá de se aliar ao Centrão, diz Pérsio Arida

Caio Rinaldi e Francisco Carlos de Assis

São Paulo

21/09/2018 12h08

A capacidade do próximo governo de aprovar as medidas necessárias para reerguer a economia brasileira e recuperar o mercado de trabalho passará, invariavelmente, pela capacidade do presidente de negociar com o Congresso e Centrão, afirmou o economista Pérsio Arida, assessor econômico da campanha de Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto.

"Temos que ser muito claros e algumas pessoas poderão não gostar do que vou falar: para aprovar reformas, o próximo presidente terá que fazer aliança com o Centrão, antes ou depois da eleição", disse o economista nesta sexta-feira, 21, durante sabatina realizada pelo Grupo Estado em parceira com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

"Entendo que o desafio do próximo presidente é enorme. O requisito número um, no meu ver, é a capacidade de negociar com o Congresso para avançar sobre temas que necessitam de amplo número de votos", reiterou.

"O requisito número dois é a experiência. Alckmin, no Estado mais afetado pela crise, fez ajuste fiscal contínuo e não atrasou salários, não atrasou pagamento a fornecedores", defendeu o economista.

Arida rechaçou propostas populistas em campanhas adversárias: "não faremos reformas populistas, o debate deve ser feito a sério", finalizou.