PUBLICIDADE
Topo

Enel inicia construção de 5 novos usinas de energia no Brasil

14/12/2020 14h13

SÃO PAULO, 14 DEZ (ANSA) - A Enel Green Power Brasil, subsidiária brasileira de energias renováveis do grupo italiano Enel, anunciou nesta segunda-feira (14) o início da construção de cinco novos empreendimentos para produção de energia renovável, sendo quatro eólicos e um solar, com capacidade combinada de 1,3 GW - o que dá para abastecer cerca de três milhões de brasileiros.   


As cinco usinas estão localizadas no Nordeste: no Piauí, estão sendo erguidos o parque eólico Lagoa dos Ventos III (396 MW) e o solar São Gonçalo III (256 MW); na Bahia, o parque eólico Morro do Chapéu Sul II (353 MW); no Rio Grande do Norte, o projeto eólico Cumaru (206MW); e em Pernambuco, o Fontes dos Ventos II (99MW).   


Segundo informou a empresa, o investimento total nas obras será de R$ 5,6 bilhões, sendo "apoiados principalmente por contratos de fornecimento de energia negociados com clientes corporativos no mercado livre de energia brasileiro". Os locais deverão começar a operar já no ano que vem, com exceção do Lagoa dos Ventos III, que deverá entrar em operação comercial em 2022.   


Durante uma live, o country manager da Enel Brasil, Nicola Cotugno, afirmou que estava "muito feliz de encerrar esse difícil 2020 de forma tão positiva".   


"Foi um ano desafiador, enfrentamos o desconhecido. Porém, lutando, nós saímos na frente e hoje nos sentimos mais fortes e mais resilientes. Sem dúvidas, temos muitas batalhas pela frente. Porém, ao mesmo tempo, temos uma grande oportunidade de impulsionar uma retomada gradual e responsável da economia", destacou.   


Para Cotugno, "o tema da mudança climática não é novo para gente e sempre impulsionamos a busca por energias renováveis" em todos os lugares em que atuamos e é uma "prioridade para nosso grupo" .   


"Com a Covid, fizemos uma viagem no futuro e imaginamos um futuro ainda mais limpo. Com cuidado do meio ambiente, um cuidado mais profundo. Nós temos a vontade de acelerar nosso plano, de substituir a energia poluente para uma energia limpa", pontuou ainda.   


Também na live, a responsável pela Enel Brasil, Roberta Bonomi, destacou o impacto social dessas obras.   


"Se a gente olha para o Brasil, os maiores recursos ficam no Nordeste e esses empreendimentos de energia renovável viraram a atividade econômica principal. Esse ponto é particularmente importante", pontuou ainda ressaltando que "além da questão ambiental, e da questão social", essas obras têm "um valor duplo" por conta da pandemia, por essas serem regiões que sofreram muito com a pandemia do coronavírus Sars-CoV-2.   


Bonomi ainda lembrou que as cinco obras geram 15 mil empregos diretos e indiretos. Além disso, com os novos parques, serão evitados o lançamento de três milhões de CO2 na atmosfera.   


Já por comunicado oficial, o CEO da Enel Green Power, Salvatore Bernabei, ressaltou que "o início da construção de 1,3 GW de nova capacidade renovável é um marco sem precedentes na história da nossa empresa no Brasil, especialmente diante dos desafios impostos pelo cenário atual".   


"Esses novos projetos fortalecem ainda mais nossa posição como líderes nos mercados de geração solar e eólica no país, ao mesmo tempo em que destacam nosso compromisso com o desenvolvimento do setor brasileiro de energia renovável, a fim de diversificar a matriz energética do país, bem como contribuir para o desenvolvimento econômico e social das comunidades em que estamos presentes", ressalta o CEO.   


Em vídeo, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o governo recebe "com muita satisfação" a notícia da construção dos novos projetos. "Muito nos anima nos testemunhar a crença no Brasil, a exemplo desses cinco parques de energia que a Enel inicia no Nordeste. Projetos como esse, além de promover a construção de energia limpa e renovável, auxiliam na criação de empregos", disse.   


- Novos parques: Maior parque eólico da Enel Green Power no mundo, o Lagoa dos Ventos III está localizado em Dom Inocêncio, no estado do Piauí, onde a empresa está construindo o parque eólico Lagoa dos Ventos. Com o novo projeto, o local terá a capacidade total de gerar cerca de 1,1 GW.   


Também no Piauí, mas dessa vez em São Gonçalo do Gurgueia, a obra do São Gonçalo III é feita onde já se encontra o parque solar São Gonçalo. Atualmente, são 475 MW em operação, mas com a finalização de dois projetos - um em andamento e o outro anunciado hoje -, a estrutura será o maior parque solar da América do Sul com 846 MW de capacidade.   


A construção na Bahia, Morro do Chapéu Sul II, será feita entre os municípios de Morro do Chapéu e Cafanaum, no mesmo local onde existe o Morro do Chapéu Sul, que começou a operar em 2018. No Rio Grande do Norte, o parque Cumaru será erguido em São Miguel do Gostoso.   


Já em Pernambuco, o Fontes dos Ventos II ficará na cidade de Tacaratu e integrará o primeiro parque híbrido solar e eólico do Brasil. A estrutura já opera com o Fontes dos Ventos desde 2015.   


"São muitos os fatores para a escolha dos lugares, mas olhamos se a região se inclui na geração de valor para a empresa, para a comunidade e para o cliente", pontua Cotugno, ressaltando que a "equação" para escolher as cidades "é dinâmica" e que muda com o tempo.   


Na América Latina, Cotugno ressaltou que a Enel Green Power tem previsão de investimentos de 10 bilhões de euros na América Latina, sendo que 3,4 bilhões só para a energia renovável, e que "mais ou menos a metade desse valor será investido no Brasil", o que ratifica o Brasil como um dos principais países para a empresa. (ANSA).   


Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.