PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Pesquisadores descobrem carruagem que pode ter sido da Roma Antiga em Pompeia

Arqueólogos descobriram uma carruagem romana em uma escavação no Parque Arqueológico de Pompeia, na Itália - POMPEI ARCHAEOLOGICAL PARK/AFP
Arqueólogos descobriram uma carruagem romana em uma escavação no Parque Arqueológico de Pompeia, na Itália Imagem: POMPEI ARCHAEOLOGICAL PARK/AFP

27/02/2021 10h55

ROMA, 27 FEV (ANSA) - Um grupo de arqueólogos descobriu uma carruagem cerimonial da Roma Antiga durante escavações em uma vila nos arredores do Parque Arqueológico de Pompeia, no sul da Itália.

A carruagem de quatro rodas foi localizada "em excelente estado" com elementos de ferro, decorações de bronze e estanho, restos de madeira mineralizada e vestígios de elementos orgânicos, como cordas.

A descoberta foi feita durante as escavações nos estábulos da grande vila de Civita Giuliana, uma luxuosa propriedade no norte da cidade, onde recentemente foram localizados alguns restos mortais de três cavalos e dois corpos perfeitamente intactos —petrificados na erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.C.

"É uma descoberta extraordinária para o avanço do conhecimento do mundo antigo", afirmou Massimo Osanna, diretor do Parque Arqueológico.

De acordo com o italiano, "em Pompeia foram localizados no passado veículos de transporte, como o da casa de Menander, ou os dois carros encontrados na Villa Arianna, mas nada como o carro de Civita Giuliana".

"Pode ser um carro alegórico, provavelmente um Pilentum, ou o que as fontes antigas descrevem como uma carruagem cerimonial, um veículo usado apenas pelas elites e somente em contextos cerimoniais", como momentos festivos, desfiles e procissões da comunidade.

Para Osanna, a carruagem, pintada de vermelho e coberta com decorações com temática erótica, talvez fosse destinado ao culto de Vênus ou, mais provavelmente, a um casamento aristocrático.

"Pompeia continua a nos surpreender com suas descobertas e assim fará por muitos anos, com 20 hectares ainda a serem desenterrados", afirmou o ministro da Cultura, Dario Franceschini,

O político classificou a descoberta como um "achado único, sem precedentes na Itália". "Mas, acima de tudo, mostra que é possível desenvolver, atrair turistas de todo o mundo e, ao mesmo tempo, fazer pesquisas, treinamentos e estudos", completou.

Situado nos arredores de Nápoles, o sítio abriga uma antiga cidade romana devastada por uma erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.C, e as escavações e restaurações no local continuam até hoje.

Internacional