PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses

Presidente egípcio pede esvaziamento de navio encalhado no Suez

Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, ordenou neste domingo (28) que equipes se preparem para remoção dos contêineres da embarcação - Dave Sanders/The New York Times
Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, ordenou neste domingo (28) que equipes se preparem para remoção dos contêineres da embarcação Imagem: Dave Sanders/The New York Times

28/03/2021 11h22

Resumo da notícia

  • Medida busca retirar navio encalhado no Canal de Suez que bloqueia uma das rotas marítimas mais importantes do mundo
  • Segundo a Evergreen, há 18,3 mil contêineres a bordo, o que deixa o navio com cerca de 220 mil toneladas
  • Plano é deixar navio mais leve para permitir que os cerca de 14 rebocadores consigam fazer manobras de remoção

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, ordenou neste domingo (28) que as equipes que estão trabalhando para tentar retirar um navio encalhado no Canal de Suez se preparem para a remoção dos contêineres da embarcação.

A ideia é deixá-la mais leve para permitir que os cerca de 14 rebocadores consigam fazer manobras de remoção. A informação foi confirmada pelo chefe da Autoridade do Canal de Suez, Osama Rabie, à emissora local "Extra News".

O navio Ever Given, da empresa Evergreen Marine, encalhou por volta das 7h40 (hora local) do dia 23 de março e, desde então diversas tentativas vêm sendo realizadas sem sucesso.

Segundo informações da empresa, há 18,3 mil contêineres a bordo, o que faz com que a embarcação pese cerca de 220 mil toneladas.

Fontes do governo falam em retirar 600 contêineres, mas os números ainda não são conhecidos.

Um estudo recente aponta que, a cada dia de paralisação, os danos financeiros são de cerca de US$ 10 bilhões para o comércio internacional. De acordo com dados da imprensa local, já são 369 navios em fila esperando para poder fazer a passagem dos quais 25 são petroleiros. Porém, muitos estão optando por contornar o continente africano, pelo Cabo da Boa Esperança, tal qual era feito há séculos atrás.

Após informar que o incidente havia ocorrido por conta de uma forte tempestade de areia, com ventos de 74km/h, a possibilidade de erro humano começou a ser levantada neste fim de semana.