Processo de impeachment

Crise no Brasil revela 'pane de ideias' da esquerda na América Latina, diz analista francês

Daniela Fernandes

Em Paris

  • Jorge Silva /Reuters

    Para Kourliandsky, a esquerda latino-americana "não soube criar projetos de crescimento alternativos"

    Para Kourliandsky, a esquerda latino-americana "não soube criar projetos de crescimento alternativos"

A crise política no Brasil, que pode resultar no impeachment da presidente Dilma Rousseff, revela a "pane de ideias" da esquerda latino-americana para criar um modelo que associe crescimento econômico e avanços sociais perenes.

Essa é avaliação do analista político Jean-Jacques Kourliandsky, especialista em América Latina do conceituado Instituto de Pesquisas Internacionais e Estratégicas (Iris) da França.

Segundo Kourliandsky, que é autor de diversos livros e artigos sobre as relações internacionais latino-americanas, a esquerda que passou a governar países como Brasil, Venezuela, Chile, Argentina e México nos anos 2000 "não soube criar projetos de crescimento alternativos para que as economias não dependessem apenas dos recursos de matérias-primas".

No período de 2000 a 2012, diz ele, marcado pela forte alta dos preços das commodities, decorrente em grande parte da explosão da demanda chinesa, o Brasil e outros países da região arrecadaram um grande volume de recursos e lançaram vastos programas sociais de luta contra a pobreza.

"Houve a ilusão de que esse período de vacas gordas iria durar para sempre e não foi feita uma mudança profunda das estruturas econômicas", diz Kourliandsky à BBC Brasil.

Para o especialista do Iris, "faltou uma real reflexão" sobre o Brasil para diversificar os canais de crescimento econômico e assegurar a perenidade dos programas sociais.

"A economia brasileira é uma das mais diversificadas da região. Havia elementos que permitiriam ao Brasil acelerar o desenvolvimento de produtos industriais, com maior valor agregado", afirma.

E, no continente, "a situação atual de impasse das forças de esquerda e as estratégias seguidas pelos liberais são o fruto da crise econômica", opina.

Agitação social

De acordo com o especialista, o eventual impeachment de Dilma tornaria a gestão do país ainda mais complicada.

"Haverá uma contestação da legitimidade constitucional da decisão do Senado. O Brasil irá viver uma agitação política e social, provavelmente com a participação de sindicatos, até as próximas eleições, em 2018", opina Kourliandsky.

Ao mesmo tempo, avalia o especialista, a principal dificuldade do PT será recuperar sua credibilidade junto aos movimentos sociais.

"O que mais prejudicou o PT recentemente não são os casos de corrupção envolvendo membros do partido, mas, sim, a política da presidente Dilma", diz ele, citando o descasamento entre as propostas da campanha eleitoral de 2014 e as medidas de austeridade adotadas no segundo mandato.

Para Kourliandsky, Dilma dessa forma desestabilizou seu campo de apoio - o eleitorado popular - e se afastou do PT, sem encontrar apoio na oposição ou no empresariado.

O pesquisador também diz que o governo petista perdeu a chance de fazer uma reforma política no Brasil e diz que o próximo presidente enfrentará o mesmo problema de ter de negociar com uma grande gama de partidos para garantir uma coalizão.

"O sistema eleitoral brasileiro não permite ao presidente obter maioria no Congresso. Mesmo em períodos de prosperidade econômica, os presidentes precisam negociar o tempo todo, ficando amarrados."

"Esse modo de funcionamento favorece a cultura do toma lá, dá cá. Isso, associado ao financiamento privado de partidos, é uma porta aberta para as irregularidades", afirma.

'Grotesco'

O especialista defende que o eventual impeachment de Dilma representa "um caso preocupante para o futuro democrático da América Latina", argumentando que os iniciadores do processo não têm credibilidade.

"A participação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acrescenta um aspecto grotesco e imoral à operação em andamento", opina.

Para Kourliandsky, a crise política e o processo de impeachment contra a presidente também revelam a capacidade das forças liberais no Brasil de organizar mudanças no poder sem recorrer às Forças Armadas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos