Como é o trabalho dos 'caça-fantasmas' da vida real

Jane O'Brien

BBC News, Washington

  • BBC

    A equipe da Dead of Night usa vários equipamentos na busca por fantasmas

    A equipe da Dead of Night usa vários equipamentos na busca por fantasmas

Após notar alguns acontecimentos no mínimo inexplicáveis, os funcionários do Nido's, um restaurante italiano de Frederick, no Estado americano de Maryland, decidiram fazer um telefonema.

Alguns dias de espera depois, uma equipe de cinco caça-fantasmas adentrou o local.

A Dead of Night Paranormal Investigation ("Na Calada da Noite Investigações Paranormais", em tradução livre) conversou com cozinheiros e garçons: era comum ouvir uma "presença invisível" subindo e descendo as escadas, diziam.

Usando camisetas pretas com o logotipo da empresa, a equipe começou a posicionar câmeras comuns e outras que captam calor para tentar registrar algum movimento sobrenatural.

Em seguida, ligaram um equipamento importante, o "sound box" - dispositivo que analisa rapidamente várias frequências de rádio que (se você acredita nestas coisas) cria uma fonte de energia que espíritos podem manipular para se comunicar com os vivos.

Os caçadores identificaram um fantasma chamado Malcolm, que teria feito um pedido: "me ajudem".

"O paranormal se manifesta de várias formas", diz Leanne Baur, integrante da Dead of Night.

Independente de você acreditar ou não nisso, algo é inegável: a procura por assombrações voltou a ser assunto popular com o lançamento recente da nova versão do filme Caça-Fantasmas.

Ficção e realidade

Reprodução
Lançamento da nova versão de 'Caça-Fantasmas' renova interesse sobre espíritos

O filme é uma obra de ficção, mas a verdade é que existem milhares de equipes de caça-fantasmas em todo o mundo.

Segundo a ParanormalSocieties.com, que afirma ter a maior lista de sociedades e grupos de paranormais do mundo, os Estados Unidos são líderes no setor, com mais de 3,6 mil integrantes registrados.

Para se ter uma ideia da supremacia americana, o Canadá tem 53 grupos. O Brasil tem apenas um, o Grupo de Investigação Mundo Paralelo, de São Paulo.

BBC
Leanne Baur diz que a equipe quer apenas 'ficar em paz com os espíritos'

"O lançamento do filme anima. E junto com os vários programas de (investigação) paranormal na TV, dá uma boa ideia do nível de interesse contínuo que está por aí", afirma a representante da Dead of Night.
 
Ela esclarece, no entanto, que os caça-fantasmas da vida real não vivem situações cheias de ação e perigos como a equipe do filme.
 
"O que fazemos é um pouco diferente. Existe um aspecto muito sério, não podemos capturar espíritos e não temos mochilas de prótons", diz a especialista, se referindo ao famoso equipamento carregado pelas personagens do blockbuster.

"Queremos ficar em paz com os espíritos."

Sem qualificação, sem pagamento

Não é necessária uma qualificação formal para se transformar em um investigador do universo paranormal. Também não são necessárias licenças legais, e a pessoa sequer precisa acreditar em fantasmas.

Mas antes que você transforme seu carro e já comece pensar no tipo de uniforme que vai usar, é bom saber que a maioria dos caça-fantasmas da vida real não ganha nada para fazer o trabalho.

E isso acontece pelo fato de suas descobertas serem abertas a várias interpretações - você acredita em fantasmas ou não -, e porque eles não querem ter de atender às expectativas do cliente.

BBC
Investigadores usam câmeras especiais

"Em uma situação típica, as pessoas nos chamam porque querem que (a resposta) seja algo, e eles podem não ter a resposta que desejam", diz Spencer Chamberlain, fundador da East Coast Research and Investigation of the Paranormal, uma empresa com base em Rockville, também em Maryland.

"Mas se você está pagando para alguém chegar e falar que há um fantasma, eles vão te falar que há um fantasma."

Ao não cobrar pela visita, grupos como o Dead of Night e o East Coast Research afirmam poder ter os escrúpulos e a ciência como guias de suas pesquisas.

Visitas

Os caça-fantasmas ganham dinheiro organizando eventos públicos, como visitas a locais que seriam assombrados.

A equipe da Dead of Night faz isso na cidade histórica de Ellicott City, em Maryland, há 18 meses - cobra US$ 15 (quase R$ 50) por pessoa e costuma guiar grupos com no mínimo dez integrantes.

Baur afirma que o objetivo não é só divertir, mas também educar as pessoas a respeito de fenômenos paranormais.

Na Grã-Bretanha há o Dawn Till Dusk Events, que organiza visitas em todo o país.

A cada fim de semana são dois ou três eventos, incluindo passeios por um hospital abandonado em Liverpool, túneis desativados e uma antiga base militar subterrânea em Worcestershire. Os preços variam entre 14 e 36 libras (de R$ 60 a R$ 278) por pessoa.

BBC
Equipamentos de áudio são usados para captar vozes dos espíritos

"Todo tipo de pessoa participa. Os mais assíduos são caça-fantasmas entusiasmados, outros são levados pelos amigos e não acreditam e alguns chegam desesperados para ver alguma coisa", disse Jessica Gladwin, fundadora e dona do grupo.

Nos Estados Unidos, há outra forma de ganhar dinheiro procurando fenômenos paranormais: tendo seu próprio reality show.

É o caso de Elizabeth Saint, que diz ver fantasmas frequentemente desde quando era criança.

Ela faz parte do grupo Maryland Paranormal Research e em 2015 foi escolhida para fazer parte da equipe de três pesquisadores do programa Ghosts of Shepherdstown.

Sem 'limpeza'

BBC
Com ajuda dos equipamentos, equipe tenta apenas se comunicar com fantasmas

A tarefa desses caça-fantasmas é ajudar pessoas ou empresas a descobrirem se realmente dividem o teto com um fantasma.

Mas eles não fazem "limpezas", ou seja, o despejo do espírito do local.

Esse tipo de trabalho geralmente é feito por médiuns, pessoas que dizem poder se comunicar com os mortos - e que costumam cobram pelo serviço.

Marjorie Rivera, de 47 anos, defende essa cobrança.

"Pagamos um eletricista para consertar a fiação, pois não mexemos com coisas que não conhecemos. Eu trabalho com energia, como um eletricista", afirmou ela, moradora da cidade americana de Pittsburgh e integrante de uma família de médiuns e curandeiros.

"Percebi que fazer limpezas era uma profissão especializada e que eu teria que ter treinamento (para trabalhar), assim como um encanador e um eletricista. Então decidi cobrar o que um encanador e um eletricista cobram, é assim que estabeleço minhas taxas."

Descendentes dos Kuna, um grupo indígena do Panamá e Colômbia, Rivera cobra US$ 150 (cerca de R$ 493) por visita.

Pelo visto, há mercado: pesquisas mostram que cerca de um terço das pessoas nos EUA e Grã-Bretanha acreditam em fantasmas.

E você, quem você vai chamar se ouvir algum barulho estranho no meio da noite?

Mulher diz que vítimas de desastre aéreo vagam por sua casa

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos