Rússia fica de fora do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Assembleia Geral das Nações Unidas elege Croácia e Hungria e rejeita Moscou para representar Leste Europeu no órgão em Genebra. Brasil e Cuba são eleitos às vagas da América Latina. Mandato de três anos começa em 2017.A Rússia não conseguiu conquistar a reeleição como membro do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas nesta sexta-feira (28/10), em votação na Assembleia Geral da ONU. É a primeira vez, desde 2006, que Moscou é rejeitada para integrar o órgão internacional com sede em Genebra. Em disputa por um dos dois assentos reservados a países do Leste Europeu pleiteados nesta votação, a Rússia, com 112 votos, ficou atrás da Croácia e da Hungria, que receberam 114 e 144 votos, respectivamente. A Assembleia Geral da ONU é composta por 193 membros votantes. "Foi uma votação muito acirrada", afirmou o embaixador russo nas Nações Unidas, Vitaly Churkin. "Croácia e Hungria têm sorte que, por conta de seu tamanho, não estão tão expostas aos ventos da diplomacia internacional. A Rússia está muito exposta. Estivemos [no Conselho de Direitos Humanos] por muito tempo. Tenho certeza que na próxima vez entraremos novamente." A candidatura russa, para um novo mandato de três anos, vinha sendo muito criticada por várias organizações de defesa dos direitos humanos, como a Human Rights Watch, principalmente devido às recentes ações militares do país na guerra civil síria, em que apoia o regime de Bashar al-Assad. Com a derrota na Assembleia Geral, "os Estados-membros da ONU enviaram uma forte mensagem ao Kremlin sobre o que pensam sobre seu apoio a um regime que tem perpetrado tanta atrocidade na Síria", opinou Louis Charbonneau, diretor do escritório da Human Rights Watch nas Nações Unidas. Brasil de volta ao Conselho Brasil e Cuba foram eleitos para ocupar duas vagas latino-americanas, vencendo a Guatemala, terceiro país na disputa. A candidatura cubana recebeu apoio de 160 dos 193 membros, enquanto a brasileira obteve 137 votos favoráveis. A Guatemala, por sua vez, terminou a votação com 82 votos. Havana já era membro do Conselho de Direitos Humanos e conquistou a reeleição na votação desta sexta-feira. O Brasil, por sua vez, volta depois de um intervalo de um ano. Bolívia, Equador, El Salvador, Panamá, Paraguai e Venezuela seguem representando a região no órgão em 2017. Em nota, a diplomacia brasileira agradeceu o apoio e afirmou que, "durante o mandato, o país se empenhará para aumentar a efetividade do Conselho na promoção e proteção dos direitos humanos". A reeleição de Cuba foi criticada por organizações de direitos humanos, incluindo a Human Rights Watch. De acordo com a ONG, para ser uma candidata plausível, Havana deveria acabar com a "repressão sistemática dos dissidentes e com a recusa de permitir visita dos observadores da ONU". O Conselho de Direitos Humanos da ONU, criado em 2006, contém 47 assentos, dos quais 14 foram renovados nesta sexta-feira para um mandato de três anos, com início em janeiro de 2017. Além dos citados Brasil, Cuba, Croácia e Hungria, também foram eleitos Iraque, Arábia Saudita, Egito, China, Ruanda, África do Sul, Japão, Tunísia, Estados Unidos e Reino Unido. EK/ap/dpa/efe/lusa/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos