Maduro fecha fronteira com Brasil até 2017

Em meio à grave crise econômica, governo anuncia que manterá passagem bloqueada até o ano que vem, para coibir contrabando da moeda local. Estima-se que mais de 70 mil venezuelanos tenham migrado para Roraima.O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou neste sábado (17/12) a prorrogação do fechamento das fronteiras com Brasil e Colômbia até o dia 2 de janeiro, uma medida justificada para coibir o contrabando de moeda local, em meio à grave crise econômica enfrentada pelo país. Crise venezuelana cruza a fronteira em Roraima "Sociedade não quer que venezuelanos sejam bem tratados" Venezuelanas se prostituem no Brasil para comprar comida Maduro também decidiu estender a vigência da nota de 100 bolívares, que, como anunciara o governo no domingo passado, deveria ser retirada de circulação na última quinta-feira. Segundo o líder chavista, a Venezuela está sendo vítima de um "ataque econômico" contra sua moeda. O fechamento das passagens fronteiriças foi estabelecimento, ainda de acordo com a visão de Maduro, justamente para evitar que as notas de 100 que tinham sido tiradas do país por grupos ilegais voltassem a circular. A medida anunciada por Maduro foi tomada devido à suposta "sabotagem internacional" da qual, segundo o presidente, está sendo alvo a carga com as novas notas que deveriam entrar em circulação no último dia 15 para minimizar a escassez de dinheiro em circulação. Por isso, afirmou Maduro, a entrada em circulação das novas notas com valores de 500, 1.000, 2.000, 5.000, 10.000, e 20.000, e as moedas de 10, 50, e 200 bolívares, será também reprogramada. O período de troca no Banco Central para essas notas, que inicialmente tinha sido anunciado até o dia 23 de dezembro, e depois cortado para 20 deste mesmo mês, ficou também permitido até o dia 2 de janeiro. A medida de supressão da nota de maior valor na Venezuela agravou a escassez de moeda do país e provocou protestos em várias cidades. Muitas manifestações acabaram em violência e saques. Em meio à crise, estima-se que mais de 77 mil venezuelanos de todos os níveis sociais migraram para Roraima fugindo da fome e do desemprego em seu país. A capital Boa Vista e a cidade fronteiriça de Pacaraima são os principais locais de refúgio. A crise foi tema de uma série de reportagens da DW Brasil. RPR/efe/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos