PUBLICIDADE
Topo

Netanyahu deverá depor em caso de corrupção, afirma mídia israelense

30/12/2016 10h26

Premiê de Israel é acusado de ter recebido "favores" de um empresário israelense e outro estrangeiro. Segundo emissora de TV, ele também é principal suspeito em uma segunda investigação envolvendo membros de sua família.O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, deverá ser interrogado pela polícia como parte de uma investigação sobre corrupção, informou a mídia israelense. O premiê é suspeito de ter recebido "favores" de grandes proporções de dois empresários – um israelense e um estrangeiro. Ele também seria o principal suspeito em uma segunda investigação envolvendo membros de sua família.De acordo com o Canal 2 de televisão, Netanyahu deverá ser chamado para depor no início da próxima semana. A emissora, detentora da maior audiência no país, afirma que o caso já é investigado há mais de oito meses, mas que interrogatórios de cerca de 50 pessoas teriam conduzido a um avanço nas últimas três semanas. O Ministério da Justiça e a polícia israelense se recusaram a comentar o caso. No entanto, a polícia divulgou um comunicado dizendo que iria informar o público "no tempo devido" sobre o assunto, acusando as reportagens de conterem "especulações e desinformação".Em julho, o procurador-geral Avichai Mandelblit havia anunciado uma investigação preliminar em um caso não especificado envolvendo Netanyahu. Não foi dado nenhum detalhe sobre o tema, mas a mídia na época afirmou se tratar das finanças pessoais do premiê.Netanyahu tem negado repetidamente qualquer irregularidade. Ele admitiu, porém, ter recebido dinheiro do magnata francês Arnaud Mimran, condenado a oito anos de prisão por uma fraude de até 283 milhões de euros no comércio de licenças de emissões de carbono. Segundo o gabinete do premiê, Netanyahu recebeu 40 mil dólares de contribuições de Mimran em 2001, quando ainda não estava no cargo. O montante seria usado para financiar atividades públicas e promover Israel no exterior.Netanyahu também tem sido acusado de conflito de interesses pela compra de submarinos da classe Dolphin da empresa alemã ThyssenKrupp. David Shimron, advogado da família do primeiro-ministro, também atua como agente israelense para o conglomerado industrial alemão.IP/afp/ap