Marcha das Mulheres reúne milhares contra Trump em todo o mundo

Manifestantes saem às ruas de centenas de cidades para protestar contra novo presidente dos Estados Unidos e para pedir respeito aos direitos das mulheres e mais tolerância.Centenas de milhares de pessoas participam neste sábado (21/01) da Marcha das Mulheres, uma série de manifestações contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e favor dos direitos das mulheres e das minorias em várias cidades do mundo. A marcha foi inicialmente convocada nos Estados Unidos, mas acabou ganhando adesão em todo o mundo, com mais de 670 manifestações marcadas. As primeiras ocorreram na Austrália e na Nova Zelândia. Em Washington, onde já se espera a participação de meio milhão de pessoas, a marcha pode se tornar uma das maiores manifestações da história do país. O comparecimento foi tão alto que o público lotou todo o trajeto inicialmente previsto, que seguia até perto da Casa Branca. "Marchamos hoje pelo núcleo moral desta nação, contra o qual o novo presidente está entrando em guerra", afirmou a atriz America Ferrera. "Nossa dignidade, nosso caráter, nossos direitos estão sob ataque, e a plataforma de ódio e divisão assumiu o poder ontem. Mas o presidente não é os Estados Unidos. Nós somos os Estados Unidos e estamos aqui para ficar." Celebridades como as atrizes Scarlett Johansson, Ashley Judd e Julianne Moore, as cantoras Alicia Keys e Katy Perry e o cineasta Michael Moore estão presentes. A cantora Madonna apareceu de surpresa e fez um discurso contra Trump. Boa parte das manifestantes veste um gorro cor de rosa com orelhas de gato, que se tornou um símbolo das mulheres que criticam Trump. O gorro é conhecido como pussy hat, um trocadilho com a palavra pussycat. Em inglês, pussy pode significar tanto gatinha ou gatinho como o órgão sexual feminino, em linguajar vulgar. Trata-se de uma referência ao áudio de 2005 que foi vazado durante a campanha eleitoral e no qual Trump afirma que, "quando você é uma estrela, [as mulheres] deixam você fazer o que quiser. Você pode agarrá-las pela pussy". Através do Twitter, a ex-candidata presidencial democrata Hillary Clinton agradeceu o apoio dos manifestantes, que, em suas palavras, "falam e marcham por nossos valores". Manifestações também acontecem em Chicago, Boston, Seattle e Los Angeles. Imagens aéreas mostram ruas lotadas de pessoas que protestam contra a misoginia, a homofobia, o racismo e a intolerância religiosa. Em Chicago, a marcha propriamente dita foi suspensa por causa da alta participação. A estimativa é de que 150 mil pessoas estejam presentes. Em Londres, os organizadores disseram que mais de cem mil pessoas participaram da marcha, um número que não pôde ser verificado, já que a polícia não divulgou estimativas. "Londres se solidariza com o mundo para mostrar como valorizamos os direitos que toda mulher deve ter, afirmou o prefeito Sadiq Khan, que compareceu à marcha. Em Paris, ao menos 7 mil pessoas se reuniram perto da Torre Eiffel, segundo a polícia, exibindo cartazes com os dizeres "liberdade, igualdade, irmandade", numa referência ao slogan nacional. Na Alemanha houve protestos em Berlim, Frankfurt, Munique e Heidelberg. Na capital, os manifestantes se concentraram em frente ao Portão de Brandemburgo. Em Tel Aviv, os manifestantes exibiram cartazes com os dizeres "o ódio não é legal" e "direitos das mulheres são direitos humanos". Protestos semelhantes aconteceram em Barcelona, Roma, Amsterdã, Lisboa, Genebra, Helsinque, Calcutá e Tel Aviv. AS/afp/ap/efe/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos