A Igreja de Lutero na América Latina, 500 anos após a Reforma

Victoria Dannemann (rw)

Como se sentem hoje os efeitos da Reforma Protestante em um continente majoritariamente católico? O jubileu é uma oportunidade para a Igreja reformada por Lutero ganhar mais seguidores.O protestantismo na América Latina vai além da imigração alemã. Ele é bastante diversificado e inclui muitas igrejas e missões diferentes. Ao mesmo tempo, o continente é o mais forte bastião do catolicismo. De quase 1,3 bilhão de católicos no mundo, cerca de metade vive na América Latina. Por causa disso, o maior desafio para o protestantismo é ser percebido. A celebração dos 500 anos da Reforma em 2017 é uma ótima oportunidade para isso.

A maioria das igrejas luteranas é ligada à Federação Luterana Mundial (FLM). "Na América Latina, temos cerca de 850 mil membros, em 17 igrejas afiliadas de 15 países", disse a pastora Patricia Cuyatti à DW. Ela lidera a seção da América Latina e Caribe na FLM. Muitas igrejas membros na região têm uma longa tradição. As mais antigas, na Guiana e no Suriname, existem há 275 anos.

Leia também: Luteranos na América Latina

Protestantismo fragmentado

Além das igrejas evangélicas de origem alemã, há também as que vieram de outros países europeus ou dos Estados Unidos, como o Sínodo de Missouri. "Ambas as ramificações fundaram suas próprias igrejas e nem sempre estavam em contato, o que explica a fragmentação do protestantismo na América Latina", esclarece o teólogo e cientista político Daniel Lenski.

As comunidades com maior número de fiéis se concentram nas regiões onde foi mais forte a imigração dos países de língua alemã: na Argentina, com a Igreja Evangélica do Rio da Prata, e no Brasil, com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB).

Nos últimos anos, Cuyatti vem observando também uma disseminação crescente em outros países: "Existe uma forte presença evangélica na América Central, especialmente na Nicarágua, em El Salvador e na Costa Rica, e com um forte envolvimento no processo de paz e no equilíbrio social." A pastora salienta ainda a contribuição ecumênica das igrejas protestantes na Colômbia e no Peru para o Ano da Reforma e o engajamento em prol da população indígena na Bolívia.

Nem todas as igrejas protestantes estão ligadas à Federação Mundial. Um exemplo é a Igreja Evangélica Luterana da Argentina, fundada no final do século 19 por imigrantes teuto-russos da região do Volga.

Isolamento e ideologia

No início, as comunidades religiosas dos imigrantes eram bastante fechadas. "Com muito zelo, os imigrantes procuraram preservar sua cultura, sua fé e seus costumes, e foi difícil se abrir a quem não fosse de origem alemã", observa o pastor argentino Carlos Nagel, filho de um alemão e uma lituana que emigraram para a Argentina nos anos 1920.

"Assim como o idioma, a religião tem um papel importante na preservação da identidade", explica Lenski, cujo trabalho de doutorado é sobre a história da Igreja Protestante no Chile. "Para muitas comunidades, divulgar o evangelho e preservar a cultura alemã eram a mesma coisa", diz.

Isso se refletiu também na época do regime nazista na Alemanha: "Na Argentina, no Brasil e no Chile, muitos pastores se opuseram ao nazismo, mas não foi a maioria", explica o teólogo.

Também a relação com as ditaduras militares latino-americanas revelaram discórdias dos evangélicos. Para Lenski, essa disparidade já havia sido estabelecida pelo próprio pai da Reforma.

"Lutero tinha opiniões bastante diferentes e contraditórias sobre a situação política de seu tempo. E as igrejas evangélicas interpretaram essas declarações de forma muito variada. Algumas achavam que era dever da Igreja ajudar as vítimas da opressão. Outras preferiram se concentrar nos serviços religiosos", conta Lenski.

"Uma razão importante para a divisão da Igreja protestante nos anos 1970 no Chile foi a disputa sobre a atitude em relação aos direitos humanos e também a falta de consenso sobre como a própria Igreja se via", explica o teólogo.

Enquanto isso, a Igreja Evangélica de El Salvador, liderada pelo carismático bispo Medardo Gómez, trilhou um caminho muito diferente: apesar da forte pressão da ditadura naquela época, ela insistiu firmemente nos direitos humanos, servindo de modelo para outras Igrejas.

Embora ainda modesta, a Igreja Protestante representa uma alternativa real à onipresente hegemonia da Igreja Católica na América Latina, de um lado, e as inúmeras igrejas pentecostais, do outro, aponta Lenski.

"A Igreja Evangélica é uma opção para os cristãos à procura de pastores bem formados. É uma alternativa intelectual à Igreja Católica, e oferece uma teologia mais sofisticada que a dos pentecostais", analisa.

Engajamento social

As igrejas protestantes da América Latina apoiam uma série de atividades, que vão desde o setor social, passando pela política ambiental, direitos das mulheres, redução da pobreza, prevenção da violência e plataformas ecumênicas. Isso a torna atraente para quem busca um cristianismo participativo.

Os preparativos para o Ano do Jubileu da Reforma começaram há vários anos. "Um dos lemas do aniversário é 'a salvação não está à venda'", conta Lenski, referindo-se aos movimentos pentecostais que clamam por ricas doações em seus cultos.

"A crença central da fé luterana é completamente o oposto: Deus te ama, sem olhar para o que você é ou o que você tem. Considerando a pobreza no mundo e a vontade de algumas pessoas de enriquecer usando a religião, esta mensagem hoje é tão relevante quanto no século 16", conclui o teólogo.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos