Relatos da resistência à escravidão no Brasil colonial

Renata Martins

"Cumbe", romance gráfico de Marcelo D'Salete, oferece histórias verídicas da escravidão pela perspectiva do violentado, em quadrinhos de diálogo escasso e forte impacto visual.Dar voz narrativa àqueles que normalmente são calados pela historiografia oficial é o ponto central do romance gráfico Cumbe, do ilustrador e autor de histórias em quadrinhos Marcelo D'Salete. Lançado no Brasil em 2014, Cumbe é sua obra mais conhecida e já foi traduzida na França e agora também na Alemanha, além de ter sido lançada em Portugal.

A obra ilustra a resistência de escravos africanos na época colonial do Brasil, um tema crucial da formação do país. "Não é possível falar sobre a história e a sociedade brasileiras excluindo grande parte da população, negra e pobre, como tem sido tentado pelas elites no passado e presente. É preciso dar profundidade para esses personagens, que por muito tempo foram planificados e estigmatizados por uma lógica racista e classista", afirmou D'Salete à DW Brasil.

Ele explica que seu trabalho como autor e artista pretende fomentar discussões, "formar e superar mentalidades", pois aborda também temas atuais, como a realidade violenta da periferia de São Paulo, o racismo e a desigualdade social. "Muitas pessoas encaram meus quadrinhos como um trabalho sobre história e cultura negra. De certo modo, são. Contudo, é mais do que isso, são quadrinhos sobre nossa história e sociedade como um todo", continua.

D'Salete argumenta que a escravidão moldou a sociedade brasileira, o que é perceptível ainda hoje, "com sua extrema desigualdade, os dispositivos de discriminação, racismo e manutenção do poder na mão de poucos".

Quatro histórias

Com Cumbe, o autor paulista, considerado um dos mais importantes cartunistas brasileiros, oferece ao leitor quatro histórias da resistência africana ao sistema escravocrata do Brasil colonial. Elas são baseadas em documentos históricos da época colonial com os quais D'Salete, que é mestre em História da Arte, se deparou. São relatos verídicos de casos envolvendo conflitos entre "senhores" e escravizados, e oficializados em registros policiais.

Tais registros inspiraram o autor a reescrever essas histórias, mas agora sob uma outra perspectiva: a do violado e violentado. "Achei incrível cada um desses relatos. A partir deles, surgiram as narrativas de Cumbe. Por outro lado, apesar de os relatos serem fortes, terem conflitos e detalhes, não havia ali muito sobre os personagens e suas crenças. Foi preciso fazer uma outra linha de estudo para tentar formar esse universo", diz o autor.

A dramaticidade inerente ao tema é potencializada pela escassez de diálogos e pelo forte impacto visual das imagens em preto e branco, uma opção estética que ilustra graficamente a necessidade universal do ser humano de ser livre e sua resistência a todo sistema opressor e homicida.

Tida como um fenômeno relativamente novo, a rica produção audiovisual de artistas brasileiros afrodescendentes vem ganhando espaço nos últimos 20 anos, desafiando, segundo estudiosos, a versão da história propagada pela civilização ocidental europeia e branca. Um dos maiores críticos da civilização europeia, o teórico argentino Walter Mignolo, analisa que a narrativa dessa civilização posiciona-se como registro oficial da história universal e deslegitima a coexistência de outras histórias, perspectivas e versões. "Por 500 anos, a história universal foi contada desde a perspectiva de uma história local: a da civilização ocidental", afirma.

A Europa e a escravidão africana

Cumbe, que em muitos países americanos significa quilombo e, nos idiomas do Congo e de Angola, significa sol, luz, fogo e força ligada ao modo como a vida e a história são construídas, será apresentado em Berlim nesta quinta-feira (02/11), em evento na Embaixada do Brasil. "Apesar de ser uma história brasileira, ela também é mundial, pois há alguns séculos grande parte das antigas metrópoles explorava a escravidão de milhões de africanos, direta ou indiretamente", analisa D'Salete.

Além de oferecer ao leitor alemão uma perspectiva pouco usual nas traduções de literatura brasileira publicadas na Europa, Cumbe dá ao leitor a possibilidade de entrar em contato com o banto, pois mantém expressões e palavras originais dessa língua africana, como uma forma de integrar o leitor ao universo de seus personagens.

As quatro narrativas gráficas que compõem a obra, escrita e desenhada por D'Salete, permitem que novas perspectivas sobre esse período nefasto das histórias brasileira e europeia se tornem conhecidas, como observam seus editores alemães. "Cumbe oferece um novo acesso a esse período, um dos mais violentos da história europeia, e ao mesmo tempo narrativas da perspectiva de escravos, ilustradas de forma brilhante."

Ainda que muitos europeus – e também brasileiros – associem a escravidão e o tráfico de africanos exclusivamente à história americana, Cumbe permite que o europeu veja o quanto esse tema está intrinsecamente ligado à história e à cultura europeias. A tradutora Lea Hübner, responsável pela tradução de Cumbe, analisa que essa é uma das forças da obra. Pois, esse é um tema que diz respeito também aos europeus, já que "o motor do comércio triangular colonial era a Europa".

"Faz toda a diferença quando recebemos uma história escrita a partir de uma outra perspectiva, de uma voz que não seja a típica masculina e branca. Cumbe mostra as possibilidades que quatro pessoas, cujas vidas eram determinadas por senhores de escravos, tiveram de tomar as rédeas da situação para reagir como sujeitos de seus destinos. Além disso, trata-se da herança africana, de pessoas que marcaram culturalmente o Brasil. E isso Marcelo registra em sua narrativa gráfica de forma magistral, o que é muito enriquecedor para o público de fala alemã."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos