Coreia do Norte dissolve comitê para investigar sequestros de japoneses

Tóquio, 13 fev (EFE).- A Coreia do Norte dissolveu o comitê encarregado de investigar os sequestros de cidadãos japoneses pelo regime comunista em resposta à decisão do governo do Japão de aplicar sanções contra o país por seu recente lançamento de um projétil de longo alcance.

O chanceler japonês, Fumio Kishida, considerou "extremamente lamentável" a decisão de Pyongyang por entender que a mesma viola um acordo alcançado entre os dois países em 2014, em declarações veiculadas neste sábado pela emissora pública "NHK".

Kishida disse que o Japão não tem intenção de cancelar o acordo e que a resolução dos sequestros seguirá sendo uma das prioridades do atual governo do primeiro-ministro Shinzo Abe.

Em 2014, Pyongyang aceitou iniciar uma investigação sobre os cidadãos que foram sequestrados pelo regime norte-coreano nos anos 1970 e 1980 em troca da retirada de parte das sanções unilaterais que o Japão mantinha sobre o país.

No entanto, o governo japonês decidiu reativar essas sanções esta semana em resposta aos recentes testes armamentistas norte-coreanos. O regime liderado por Kim Jong-un realizou seu quarto teste nuclear no dia 6 de janeiro e lançou no último domingo um satélite ao espaço, algo que a comunidade internacional considera um teste de mísseis encoberto.

Em um comunicado da agência estatal "KCNA", o regime norte-coreano tachou a reativação das sanções por parte do Japão de "provocação" e prometeu, em tom ameaçador, "represálias mais duras" para Tóquio no futuro.

Apesar de ter formado o comitê há quase dois anos, a Coreia do Norte não tinha apresentado até agora nenhum tipo de informação consistente relacionada com o paradeiro dos japoneses capturados pelo regime comunista.

O Japão afirma que pelo menos 17 japoneses foram sequestrados entre 1977 e 1983 pela Coreia do Norte para que pudesse roubar suas identidades e para que os mesmos ensinassem a cultura e o idioma japonês a espiões norte-coreanos.

Em 2002, Pyongyang reconheceu alguns dos sequestros e devolveu cinco pessoas ao Japão. No entanto, o regime comunista alegou que os outros 12 restantes tinham morrido ou nunca estiveram em solo norte-coreano, um relato carregado de inconsistências que o Executivo japonês não considera crível.

A resolução dos sequestros é o principal empecilho para que Tóquio e Pyongyang, que não mantêm laços diplomáticos, possam normalizar suas relações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos