Promotoria japonesa acusa 3 ex-diretores de Fukushima por negligência

Tóquio, 29 fev (EFE).- A Promotoria do Japão acusou nesta segunda-feira três ex-diretores da operadora da central de Fukushima por não terem tomado as medidas necessárias para evitar o desastre nuclear de 2011, o que representa o primeiro processo penal de responsáveis pela usina, informou a emissora pública "NHK".

Os três ex-diretores da Tokyo Electric Power (Tepco) processados por negligência na crise originada pelo terremoto e tsunami do dia 11 de março de 2011 são Tsunehisa Katsumata, de 75 anos e presidente da companhia no momento do acidente, e os ex-vice-presidentes Sakae Muto, de 65, e Ichiro Takekuro, de 69.

A decisão da Promotoria acontece depois que um grupo de atingidos apresentou uma primeira denúncia em 2012 contra um total de 42 autoridades e responsáveis da usina que continuaram operando Fukushima Daiichi sem tomar medidas para garantir a segurança, apesar de conhecer os riscos.

Os três acusados não foram detidos e espera-se que se declarem inocentes segundo fontes citadas pela agência "Kyodo".

Essas mesmas fontes acreditam que o julgamento só aconteça no fim de ano, devido a que levará muito tempo para recolher todas as provas necessárias.

A acusação considera que o acidente em Fukushima, cujos reatores sofreram fusões parciais após perder o sistema de refrigeração, expôs aqueles que vivem ao redor a emissões muito radioativas.

Além disso, se responsabiliza os diretores pelo fato de 13 pessoas, incluindo trabalhadores da usina e membros das forças armadas, tenham ficado feridas após o acidente e que 44 tenham morrido após serem retiradas de um hospital onde estavam internadas, detalhou a "NHK".

A operadora da unidade reconheceu hoje que teve notícia da acusação de seus três ex-diretores através da imprensa, mas que decidiram não fazer nenhum comentário ao se tratar de um caso penal que está nos tribunais.

A Tepco quis, no entanto, pedir desculpas "pela moléstia e pela preocupação causada aos moradores de Fukushima e ao resto da sociedade pelo acidente nuclear".

Em um primeiro momento, a Promotoria do distrito de Tóquio decidiu em setembro de 2013 desprezar o processo e não apresentou acusações ao considerar que era muito difícil prever a escala do tsunami que atingiu a usina.

Os litigantes solicitaram, no entanto, uma análise mais exaustiva e recorreram a um comitê de investigação judicial, um órgão raramente usado no Japão e formado por cidadãos, que em julho passado lhes deu a razão e passou de novo o caso à Promotoria.

As emissões e vazamentos de água contaminada produto do acidente, o pior desde o de Chernobyl (Ucrânia) em 1986, ainda mantêm deslocadas milhares de pessoas que viviam perto da usina, e causaram danos milionários à agricultura, à pecuária, à pesca, e a outros muitos setores da economia local.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos